Cuidava-m'eu que amigos havia

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cuidava-m'eu que amigos havia
por Pero Garcia Burgalês


Cuidava-m'eu que amigos havia
muitos no mundo, mais, mao pecado!,
nom hei amigos, ca, pois tam coitado
jaço morrend', alguém se doeria
de mim - que moir'e nom ouso dizer
o de que moir'a quem me faz morrer;
nom lho dig'eu, nem por mim home nado.
  
E os amigos em que m'atrevia,
de que me tenh'em al por ajudado,
nom lho dizem; mais se tam acordado
foss'algum deles, bem mi ajudaria
se lho dissesse e nunca i perder
podia rem e poderia haver
mi, per esto, tolheito d'um cuidado.
  
Mais aquest'é cousa mui desguisada,
ca nom sei eu quem tal poder houvesse,
pois mia senhor visse, que lhe soubesse
dizer qual coita, pois la vi, mi há dada;
ca, pois que viss'o seu bom parecer,
haver-lh'-ia log'eu d'escaecer
e dizer x'ante por si, se podesse!
  
E bem cuid', aquant'é meu conhocer,
que pois fosse u a podesse veer
que rem do meu nem do seu nom dissesse.