D'onde vens, viajor (Ecos da minh'alma)

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
(D'onde vens, viajor?)
por Gonçalves Dias
Poema agrupado posteriormente e publicado em Ecos da minh'alma.
HSArchive.svg Ver notas e variantes.


O SNR. ANTONIO GONÇALVES DIAS Á AUCTORA.


— D'onde vens, viajor?
— De longe venho.
— Que viste?
— Muitas terras.
— E qual d'ellas
Mais te soube agradar?
— São todas bellas;
Fundas recordações de todas tenho.

— E admiraste o que?
— Ah! onde as flôres
Cadavez a manhã tornam mais linda,

Onde gemeu Paraguassú de amores,
E os echos fallam de Moêma ainda;
Alli, Sapho christã, virgem formosa,
A vida aos sons da lyra dulcifica:
D'escutar a sereia harmoniosa,
Ou de vel-a, a vontade presa fica!


23 de Maio de 1852.