De Vlaamse Leeuw

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
De Vlaamse Leeuw Flag of Flanders.svg
Letra por Hippolyte Jan Van Peenenmane
Melodia por Karel Miry


Nunca o domarão, ao feroz Leão da Flandres,
Ainda que ameacem a sua liberdade com gritos e grilhetas.
Não o domarão: não enquanto viva um Flamengo,
Não enquanto o Leão tenha garras, não enquanto tenha dentes.

Refrão:

Não o domarão: não enquanto viva um Flamengo,
Não enquanto o Leão tenha garras, não enquanto tenha dentes.
O tempo devora cidades, nenhum trono perdura eternamente,
Os exércitos são arrastados, mas um povo nunca morre.
O inimigo marcha contra nós, envolto em perigo mortal,
Mas nós rimos do seu furor, o Leão da Flandres está connosco.

Refrão

Há mil anos que luta pela liberdade, Pátria e Deus,
E tem ainda a força da sua primeira juventude.
Quando o julgam desgastado e o desprezam com um pontapé,
Ele ergue-se, ameaçador, terrível perante eles.

Refrão

Pobre do insensato, do traidor e do hipócrita
Que o queira amansar para o levar a morte indigna.
Não há movimento que não perceba
À ofensa, ergue a juba e ruge.

Refrão

O sinal da vingança foi dado; cansado dos importúnios,
Com o olhar em fogo, salta sobre o inimigo,
Rasga, destrói, esmaga, cobre de sangue e lama
E, triunfante, ri sobre o corpo tremente do inimigo.

Refrão