De um Régio tronco, de uma Régia rama

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
De um Régio tronco, de uma Régia rama
por Manuel Botelho de Oliveira


Ao nascimento do príncipe nosso senhor

De um Régio tronco, de uma Régia rama,
Qual ramo nasces, e qual flor respiras;
E porque a todos singular prefiras,
Áustria te alenta, Portugal te inflama.

O Monstro alado no seu templo aclama
Futuras obras, a que tanto aspiras;
Que inda, quando entre lágrimas suspiras,
Geme o mar, treme a terra, voa a fama.

De Lísia tomarás o cetro honroso
E te verás na sacrossanta guerra
Absoluto Monarca glorioso.

A teu valor, que a tenra idade encerra,
Prometem para Império poderoso,
Marte o esforço, o mar Tétis, Jove a terra.