Deixai que a minh'alma escassa

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Deixai que a minh'alma escassa
por Cruz e Sousa
Poema agrupado posteriormente e publicado em O Livro DerradeiroDispersas


Deixai que a minh'alma escassa
De luz — aos astros emigre
Como gaivota que passa
Deixai que a minh'alma escassa
De amor — na plúmbea desgraça
De atrozes garras de tigre,
Deixai que a minh'alma escassa
De luz — aos astros emigre.