Desigualdade

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Desigualdade
por Humberto de Campos
Conto publicado em Grãos de Mostarda


Otaviano Cabreira Rocha andava pelos quarenta e cinco anos quando, fatigado daquela vida de solteiro, resolveu montar, também, a sua casa. Estava cansado de mundanismo, daquela existência de conquistas e sustos, e como, para o soldado dessas batalhas elegantes, a reforma é o lar, a sua idéia foi, logo, aquela, de constituir família.

A experiência havia-lhe dito que, em matéria de fidelidade matrimonial, tudo depende do esposo. E como estava certo de que nenhum esposo seria mais vigilante, casou-se com Leléa Borges, rapariga de vinte e dois anos, que andava, também, à procura de marido.

— Olha, minha filha — confessou o Cabreira, dois meses depois do casamento: — nós casamos em igualdade de condições: tu eras, já, uma rapariga experiente; eu, com a existência que levei, um homem perfeitamente vivido. Temos, pois, todos os elementos para ser felizes.

— Isto era quando nos casamos, Otaviano! — protestou a moça, fazendo-lhe uma festo no rosto cavado pelo tempo. — Hoje, a nossa situação é muito diferente.

E com um biquinho de zanga, num amuo gracioso:

— Tu enganas por aí muito marido; e eu?

E concluiu, queixosa:

— Eu, pobresinha de mim! Só engano um...