Deusa Serena (1893)

Wikisource, a biblioteca livre

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Deusa Serena
por Cruz e Sousa
Poema publicado em Broqueis (1893).
Obra com ortografia atualizada disponível em Deusa Serena (ortografia atualizada).




Espiritualisante Formosura
Gerada nas Estrellas impassiveis,
Deusa de fórmas biblicas, fléxiveis,
Dos effluvios da graça e da ternura.

Assucena dos valles da Escriptura,
Da alvura das magnolias marcessiveis,
Branca Via-Lactea das indefiniveis
Brancuras, fonte da immortal brancura.


Não veio, é certo, dos paúes da terra
Tanta belleza que o teu corpo encérra,
Tanta luz de luar e paz saudosa...

Vem das constellações, do Azul do Oriente,
Para triumphar maravilhosamente
Da belleza mortal e dolorosa !