Diálogo (Antero de Quental)

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Diálogo
por Antero de Quental
Poema publicado em Odes Modernas, segunda edição.


A cruz dizia á terra onde assentava,
Ao valle obscuro, ao monte aspero e mudo:
—Que és tu, abysmo e jaula, aonde tudo
Vive na dor e em lucta cega e brava?

Sempre em trabalho, condemnada escrava.
Que fazes tu de grande e bom, comtudo?
Resignada, és só lodo informe e rudo;
Revoltosa, és só fogo e horrida lava…

Mas a mim não ha alta e livre serra
Que me possa igualar!.. amor, firmeza,
Sou eu só: sou a paz, tu és a guerra!

Sou o espirito, a luz!.. tu és tristeza,
Oh lodo escuro e vil!—Porêm a terra
Respondeu: Cruz, eu sou a Natureza!