Diccionario Bibliographico Brazileiro/João Franklin da Silveira Tavora

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Diccionario Bibliographico Brazileiro por Sacramento Blake
João Franklin da Silveira Tavora


João Franklin da Silveira Tavora — Filho de Camillo Henrique da Silveira Tavora e dona Maria de Santa Anna da Silveira, nasceu na provincia do Ceará a 13 de janeiro de 1842 e falleceu no Rio de Janeiro a 18 de agosto de 1888. Bacharel em direito pela faculdade do Recife, foi director geral da instrucção publica, deputado a assembléa provincial e curador geral dos orphãos da provincia de Pernambuco; secretario da presidencia do Pará, e exercia ultimamente o logar de official da secretaria de estado dos negocios do imperio. Litterato, de illustração variada, e fundador da extincta associação dos homens de lettras, foi socio do Instituto historico e geographico brazileiro, do Instituto archeologico e geographico de Pernambuco, da secção da Sociedade de geographia de Lisboa no Rio de Janeiro; socio honorario do Club litterario limoeirense e de outras associações de lettras do Brazil. Escreveu:

Um casamento no arrabalde: historia do tempo em estylo de casa. Recife, 1869 — Este romance é uma notavel pintura de costumes nacionaes.

Tres lagrimas: drama em cinco actos e sete quadros. Recife, 1870 — Foi representado no theatro Santa Isabel, com grande applauso e impresso por uma associação de cearenses, denominada Dezesete de Janeiro.

Carlos a Cincinnato: estudos criticos de Sempronio sobre o Gaucho e Iracema de Senio (José de Alencar). Segunda edição com extractos de cartas de Cincinnato e notas do autor. Paris, 1872, 334 pags. in-8º — Esta obra, considerada por A. Herculano «livro, onde se revelam grandes dotes de escriptor em geral e de critico em particular», foi suggerida pelo apparecimento do lº volume do Gaúcho, do conselheiro J. de Alencar. Compõe-se de vinte e duas cartas, que foram successivamente escriptas em Pernambuco e enviadas ao conselheiro J. F. de Castilho, que as deu á lume nas Questões do dia, publicação de sua direcção na Côrte em 1870. Foi esta a primeira edição. Além das cartas de Sempronio (pseudonymo de Franklin Tavora); estam alli colligidas por extractos nove cartas de Cincinnato a Sempronio, ao cidadão Fabricio, á Cujaccio e ao redactor das Questões do dia. E' considera la uma das melhores obras do autor.

O cabelleira: historia pernambucana. Rio de Janeiro, 1876 E' a historia de um celebre malfeitor, que foi enforcado pelos fins do seculo passado e sobre o qual appareceram diversas poesias que o commemoram. No Jornal do Commercio de 15 de outubro desse anno, o conselheiro J. F. de Castilho, e outros no Globo, na Illustração Brazileira e no Jornal da Tarde publicaram longas apreciações sobre este trabalho, a que tambem se refore o autor do Primeiro reinado, o dr. L. F. da Veiga, reproduzindo uma parte do escripto do conselheiro J. F. de Castilho. Este livro é o primeiro da serie intitulada Litteratura do Norte.

Lendas e tradições populares do Norte — Foram publicadas na Ilustração Brasileira, revista de lettras e artes, em 1878. Algumas dellas são inspiradas no tempo dos hollandezes durante seu dominio no Brazil, e outras nas revoluções de Pernambuco de 1817 e 1824.

O matuto: chronica pernambucana. Rio de Janeiro, 1878 — É o segundo livro da serie « Litteratura do Norte ». Funda-se a acção deste romance no facto conhecido na historia de Pernambuco pelo nome de guerra dos mascates, do qual o autor dá uma idea completa no seu romnace.

A trindade maldita. Contos no botequim: romance modelado pela noite da taberna de Alvares de Azevedo – Foi publicado no Diario de Pernambuco, 1861.

Os Indios do Jaguaribe: romance historico -- Idem em 1862, É um romance em quatro tomos, tendo por assumpto a colonisação do Ceará em 1603 por Pedro Coelho de Souza. O primeiro volume teve segunda edição no Recife, 1870.

Um mysterio de familia: drama em tres actos, posto em scena no theatro de Santa Isabel pelo empresario Duarte Coimbra em 1861. Recife, 1861 - Segunda edição. Rio de Janeiro, 1877, precedida de um juizo critico do dr. L. F. Maciel Pinheiro e de uma carta do actor Furtado Coelho.

A casa de palha: romance. Recife - Foi publicado em folhetim do Jornal do Recife, em 1866 e reproduzido em varios jornaes do imperio.

Lourenço: chronica pernambucana. Porto, 1881 – Foi publicado antes na Revista Brasileira, 1881, tomo 7º, pags. 73 a 80, 133 a 152, 221 a 241, 293 a 331, 401 a 419 - tomo 8º, pags. 5 a 23, 79 a 88, 147 a 172, 245 a 268 e 343 a 357 -- tomo 9º, pags. 5 a 31.

Sacrificio: romance – Foi publicado na mesma revista, 1879, tomo 1°, pags. 20 a 41, 145 a 160, 236 a 249, 305 a 322, 377 a 393, 477 a 492 e 537 a 549, e tomo 2º, pags. 5 a 13, 93 a 101 e 169 a 186. É o terceiro livro da Leitura do Norte.

Os patriotas de 1817– Na mesma revista, tomo 4°, 1880, pags. 37 a 66. Este escripto é um trecho de trabalhos que Tavora deixou ineditos. Verdade: semanario consagrado á causa da humanidade. Recife, 1872–1873, 2 vols. in-fol. — Com a chegada do bispo d. frei Vitalá Pernambuco, a maçoneria, resolvendo representar-se por um orgão que defendesse seus direitos e promovesse seus interesses, convidou o dr. Franklin Tavora a fundar e dirigir esse orgão. A principio a Verdade se publica va uma vez por semana, e depois duas vezes, augmentando de formato, por ver-se a maçoneria compellida pela reacção episcopal a ser mais assidua na sustentação de sua causa. Foi uma folha de combate, que, em todo imperio quasi, produziu uma revolução nas ideas religiosas, e á qual se deve, em grande parte, a importancia que assumiu a questão religiosa em Pernambuco. Sua leitura foi prohibida pelo bispo em uma pastoral sub-grave. Essa follia, para a qual collaboraram varios dos primeiros escriptores de Pernambuco, é um importante repertorio de noticias sobre esse periodo de nossa historia; ahi se discutem importantissimas questões de direito constitucional e ecclesiastico. Antes disto, redigiu com José Baptista de Castro e Silva

A consciencia livre. Recife, 1869-1870, in-fol.-Depois foi um dos fundadores da

Revista Brasileira. Rio de Janeiro, 1879-1881, 10 tomos de 624, 522, 437, 544, 522, 501, 471, 528, 523 e 493 pags. in-4º - Veja-se Nicolau Midosi.