Dom Duarte e Dona Donzilha

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Dom Duarte e Dona Donzilha
coletado por Sílvio Romero
Publicado em Cantos populares do Brasil. (Sergipe)

"Eu não procuro igreja,
Nem rosário pra rezar;
Só procuro o lugar
Onde Dom Duarte está.
"Deus vos salve, rainha,
Rainha em seu lugar."
—Deus vos salve, princesa,
Princesa de Portugal."

—O que me quereis, princesa,
Que novas quereis me dar?
É o amor de Dom Duarte
Que inda espero lograr.
—Dom Duarte não está em casa,
Anda n'alçada real.
"Mandai levantar bandeira
Para dar um bom sinal.
Palavras não eram ditas
Dom Duarte na porta estava:

O que me quereis princesa,
Que novas quereis me dar?
"É o amor de Dom Duarte
Qu'inda espero lograr.
—No tempo que eu vos queria,
Me juravam a matar;
Mas hoje que sou casado
Tenho filhos a criar.

—Dai-me licença, senhora,
—Dai-me licença real
Pra dar um beijo em Donzilha
Qu'ela finada já está.
"Dai-lhe quatro, dai-lhe cinco,
Dai-lhe quantos vós puder;
Não tendes mais que beijar
A quem já finada está.

A cova de Donzilha
Foi na porta principal;
A cova de Dom Duarte
Foi lá no pé do altar.
Na cova de Donzilha
Foi um pé de sicupira;
Na cova de Dom Duarte
Nasceu um pé de colar.
Foram crescendo, crescendo,
Cresciam ambos igual;
Lá em riba das galhinhas
Lá se foram abraçar.
A viúva que viu isto,
Logo mandou decotar;
Si haviam brotar leite,
Brotaram sangue real.