Dona Margarida

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Dona Margarida
por Paulo Setúbal
Poema publicado em Alma Cabocla


Conheço apenas Dona Margarida
Por tê-la visto, acaso, num salão.
Seu negro olhar, cheio de fogo e vida,
Deixava em cada peito uma ferida,
Em cada peito abria uma paixão.

E eu, como os outros, vendo-a tão querida,
Tão moça, tão formosa, tão feliz,
Trouxe comigo, na alma dolorida,
A funda mágoa, Dona Margarida,
De não ter dito o que dizer lhe quis.