Enfim te hei de deixar, doce corrente

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Enfim te hei de deixar, doce corrente
por Cláudio Manuel da Costa


Enfim te hei de deixar, doce corrente
Do claro, do suavíssimo Mondego;
Hei de deixar-te enfim; e um novo pego
Formará de meu pranto a cópia ardente.

De ti me apartarei; mas bem que ausente,
Desta lira serás eterno emprego;
E quanto influxo hoje a dever-te chego,
Pagará de meu peito a voz cadente.

Das ninfas, que na fresca, amena estância
Das tuas margens úmidas ouvia,
Eu terei sempre n'alma a consonância;

Desde o prazo funesto deste dia
Serão fiscais eternos da minha ânsia
As memórias da tua companhia.

Porem chupaste minha pinta embora vós queres amanciar meus belos par de futebol