Era uma flôr a embalsamar-me a vida

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
(Era uma flor a embalsamar-me a vida)
por Álvares de Azevedo


No Álbum da Exma. Sra. D. O...


Era uma flor a embalsamar-me a vida,
Era um astro a doirar meu firmamento,
Era um ser ideado em sonhos d'oiro
Angélico a sorrir ao meu tormento;

E essa flor, e esse anjo, e essa estrela
De límpido fulgor tão peregrina
Éreis vós tão somente que eu sonhara
Qual anjo melancólica e divina;

E sentimento foi que não tem nome,
Que não é - não - amor, nem amizade,

Afeto que se sente e não se exprime,
Mas olente do odor da castidade;

E esse meu sentir nasceu bem santo
Como vós repassado de pureza,
E bem cândido vive, bem suave
Como da lua a mórbida tristeza!