Esaú e Jacó/XVI

Wikisource, a biblioteca livre
< Esaú e Jacó
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Esaú e Jacó por Machado de Assis
Capítulo XVI: Paternalismo
Ouça este texto (ajuda | info da mídiadownload)
(Áudio referente aos capítulos XIII, XIV, XV, XVI e XVII)

Daí a pouco, Santos pegou na mão da mulher, que a deixou ir à toa, sem apertar a dele; ambos fitavam os meninos, tendo esquecido a zanga para só ficarem pais.

Já não era espiritismo, nem outra religião nova; era a mais velha de todas, fundada por Adão e Eva, à qual chama, se queres, paternalismo. Rezavam sem palavras, persignavam-se sem dedos, uma espécie de cerimônia quieta e muda, que abrangia o passado e o futuro. Qual deles era o padre, qual o sacristão, não sei, nem é preciso. A missa é que era a mesma, e o evangelho começava como o de São João (emendado): "No princípio era o amor, e o amor se fez carne". Mas venhamos aos nossos gêmeos.