Estátua de mausoléu

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Estátua de mausoléu
por Luís Delfino
Publicada em Rosas Negras.


Tem a estatura regular da Milo,
E a alma dela também: foi de bem cedo
Que a vi como Imortal; e tive medo,
Parando em frente ao tétrico sigilo.

Embalde indago e tento descobri-lo:
É mais fácil ouvir de algum penedo,
Da dor que o imobiliza, o atroz segredo:
Houve um novo mistério em tudo aquilo.

Minha esperança está desenganada:
Mulher, — seu frio orgulho nada explica;
Deusa, — tem em desprezo o ser amada.

Ao dia, à noite aí vive, aí anda, aí fica,
Como por mãos de mestre esculturada
Num mausoléu, ao tempo, estátua rica...