Eternidade retrospectiva

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Eternidade retrospectiva
por Cruz e Sousa
Poema agrupado posteriormente e publicado em Últimos Sonetos


Eu me recordo de já ter vivido,
Mudo e só, por olímpicas Esferas,
onde era tudo velhas primaveras
E tudo um vago aroma indefinido.

Fundas regiões do Pranto e do Gemido
Onde as almas mais graves, mais austeras
Erravam como trêmulas quimeras
Num sentimento estranho e comovido.

As estrelas, longínquas e veladas,
Recordavam violáceas madrugadas,
Um clarão muito leve de saudade.

Eu me recordo d'imaginativos
Luares liriais, contemplativos
Por onde eu já vivi na Eternidade!