Eu ouvi!

Wikisource, a biblioteca livre

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Vibrada no espaço de noite mui linda
Ferindo minh’alma com maga inflexão
Cadente eu ouvia de um Anjo da terra
Do imo do peito mui terna canção!

Dizia saudade — em accento magoado,
Sonoro — mavioso, inspirado por Deos —

Tão maga harmonia só era emanada
Do côro dos Anjos — dos Anjos dos Céus!

Casava co’as horas tardias da noite
De noite tão bella, de almo luar —
A voz merencoria qu’attento escutava
Lembrando continua meu triste penar.

Que doce soffrer infiltrou em minh’alma
Os sons desferidos por Virgem mimosa
Dizia o meu fado sem ella o sentir,
Lembrava-me a vida passada e saudosa!

Ouvi, como ouviram no monte Sinai
Os magos mandados á voz do Senhor,
Humilde e curvado o meu agro porvir —
Dos labios da Virgem, nos cantos d’amor!

E triste e pungido por este escutar
Que tanto extasiou-me, porque era saudoso —
A passos mais lentos, que a dôr que soffri —
Deixei, apartei-me do canto harmonioso!