Eu sei la dona velida

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Eu sei la dona velida
por Pedro Eanes Solaz


Eu sei la dona velida
que a torto foi ferida,
     ca non ama.

Eu sei la dona loada
que a torto foi malhada,
     ca non ama.

Ca se hoj'amig'amasse,
mal haja quen a malhasse,
     ca non ama!

Se se d'amigo sentisse,
mal haja quen a ferisse,
     ca non ama!

Que a torto foi ferida,
nunca én seja guarida,
     ca non ama!

Que a torto foi malhada,
nunca én seja vingada,
     ca non ama!