Fé, esperança e caridade

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Fé, esperança e caridade
por Castro Alves
Poema agrupado posteriormente e publicado em Espumas Flutuantes, edição de 1917.


Eram tres anjos e uma só mulher.

Quando a infancia corria alegre, á tôa,
Como a primeira flor, que na lagôa
Sobre o crystal das aguas se revê,
Em minha infancia reflectiu-se a tua...
Beijei-te as mãos suaves, pequeninas,
Tinhas um palpitar de azas divinas...
     Eras — o anjo da Fé! —

Depois eu te revi... Na fronte branca
Radiava entre perolas mais franca
A altiva c′rôa, que a belleza trança!...
Sobre os traços da diva deslumbrante

Ardente, humillde arremessei minh′alma
Por ti sonhei — triumphador — a palma,
     Ó — anjo da Esperança! —

Hoje é o terceiro marco dessa historia.
Calcinado aos relampagos da gloria,
Descri do amor, zombei da Eternidade!
Ai, não! — celeste e peregrina déa,
Por ti em rosas mudam-se os martyrioa!
Ha no teu seio a maciez dos lyrios...
     Anjo da Caridade!...

Curralinho, 28 de Junho de 1870.