Fabulas de Esopo/O Rei dos Bugios e dous Homens

Wikisource, a biblioteca livre
< Fabulas de Esopo
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O Rei dos Bugios e dous Homens
por Esopo
Texto publicado em Fabulas de Esopo.


Caminhavão dous companheiros; tendo perdido o caminho, e depois de terem andado muito, chegárão á terra dos Bugios. Forão logo levados ante o Rei, que vendo-os lhes disse: Na vossa terra, e nessa por onde vindes, que se disse de mim e do meu Reino? Respondeo hum dos companheiros: Dizem que sois Rei grande de gente sabia e lustrosa. O outro, que era amigo de fallar verdade, respondeo: Toda vossa gente são Bugios irracionaes, forçado he que o rei tambem seja Bugio. Como isto ouvio o Rei, mandou que matassem a este, e ao primeiro fizessem mimos e tratassem muito bem.

MORALIDADE.

Verifica-se nesta Fabula o que diz Terencio, que a verdade causa odio, e fallar á vontade ganha amigos. Com o Rei necio não medrão sabios nem virtuosos, senão chocarreiros e lisongeiros; e daqui vem no mundo, que de ordinario os bons são sopeados e obedecem aos máos, que o Rei Bugio tem odio a quem o desengana, e o que mente, como aqui fez o primeiro companheiro, este só he favorecido.