Flores do Mal/Á minha Deusa

Wikisource, a biblioteca livre
< Flores do Mal

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

XL

Á minha Deusa


Os meus versos te dou para que se algum dia
Meu nome conquistar justa celebridade,
Despertando a atenção da triste humanidade,
— Como um barco á mercê de forte ventania,

Tua memória, egual ás fábulas famosas,
Fatigue o meu leitor como um sêco martelo,
E por um fraternal e misterioso élo
Fique como que presa ás rimas sonorosas;

Amaldiçoado ser a quem (desde o profundo
Abismo até ao ceu) só eu amo no mundo!
— Ó tu, sombra fugaz, espectro radiante,

Que pisas os mortaes, serena e deslumbrante,
E a quem os imbecis ousam chamar cruel...
Ó bronzeo serafim com olhos de Lusbel!