Flores do Mal/A Tampa

Wikisource, a biblioteca livre
< Flores do Mal

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

LXII

A Tampa


Onde quer que éle vá, na terra ou no oceano,
Sob um clima de fogo ou sob um ceu gelado,
Missionário de Cristo ou D. João mundano,
Mendigo tenebroso ou rico potentado,

Cidadão, camponez, sedentário, gaudério,
Seja embora o seu cer’bro activo ou preguiçoso,
Ao homem sempre invade o terror do mistério,
E quando encara a altura é com o olhar medroso.

A altura o Céu! Caixão funéreo, grande estufa,
Tecto jorrando luz sobre uma ópera bufa
Onde cada histrião n’um tremedal se arrasta;

Terror do libertino, esp’rança do eremita,
O Céu, o Céu! a tampa enorme da marmita
Onde ferve, mesquinha, a Humanidade vasta.