Flores do Mal/Da Lama ao Astro

Wikisource, a biblioteca livre
< Flores do Mal

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

XXXIII

Da Lama ao Astro


Junto d’uma judia horrível, no seu leito,
— Dois cadáver’s a par na mesma sepultura
Certa noite, pensei, ao encarar a impura,
Na soberba mulher por que anceia meu peito:

Seu corpo modelar, de majestoso aspeito,
Os seus olhos leaes a distilar doçura,
O capitoso olor da cabeleira escura,
Todas as perfeições do seu todo perfeito!

Com fervor vestiria esse corpo divino,
Desde os mimosos pés ao cabelo em aneis,
Com meus beijos febris, ó bloco marmorino,

Se uma noite, a chorar por quaesquer ninharias,
Pudesses conseguir, rainha das crueis,
Atenuar a luz d’essas pupilas frias!