Fruta silvestre

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Fruta silvestre
por Luís Delfino
Publicada em Rosas Negras.


Mas... como a fruta assim madura cheira!...
Do Éden pisou-se a rútila soleira,
— Larga esmeralda; — estava aqui conosco

A natureza, a cega companheira:
Cantava o rio, o pássaro, a balseira...
Para nós era a pedra um fulcro tosco.

E o nosso sangue ali também gorgeava:
Tapava um riso as voltas do caminho;
A luz das franças pelo cimo espiava,
E do ar nos via o odor do rosmaninho...

Eu nos braços em círculo a apertava:
Ela caía um pouco em desalinho...
Eu a beijava e ela me beijava...
A selva toda parecia um ninho.