He hum não querer mais que bem querer; (Camões) I

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
He hum não querer mais que bem querer; (Camões) I
por Florbela Espanca
Poema publicado em Charneca em Flor


Gosto de ti apaixonadamente,
De ti que és a vitória, a salvação,
De ti que me trouxeste pela mão
Até ao brilho desta chama quente.

A tua linda voz de água corrente
Ensinou-me a cantar... e essa canção
Foi ritmo nos meus versos de paixão,
Foi graça no meu peito de descrente.

Bordão a amparar minha cegueira,
Da noite negra o mágico farol,
Cravos rubros a arder numa fogueira!

E eu, que era neste mundo uma vencida,
Ergo a cabeça ao alto, encaro o sol!
- Águia real, apontas-me a subida!