He hum não querer mais que bem querer; (Camões) VII

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
He hum não querer mais que bem querer; (Camões) VII
por Florbela Espanca
Poema publicado em Charneca em Flor


São mortos os que nunca acreditaram
Que esta vida é somente uma passagem,
Um atalho sombrio, uma paisagem
Onde os nossos sentidos se poisaram.

São mortos os que nunca alevantaram
Dentre escombros a Torre de Menagem
Dos seus sonhos de orgulho e de coragem,
E os que não riram e os que não choraram.

Que Deus faça de mim, quando eu morrer,
Quando eu partir para o País da Luz,
A sombra calma dum entardecer,

Tombando, em doces pregas de mortalha,
Sobre o teu corpo heróico, posto em cruz,
Na solidão dum campo de batalha!