Hino do centenário de Ascurra

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Hino do centenário de Ascurra
Letra por Hilario Passero
Melodia por Virginio Fistarol


I. 1876-1976: A Historia de Todos

Os mares transportando em quilhas, ansiosos,
Aportam, saudosos, colonos enfim!
Por rios_estradas, por verdes picadas
Na terra em fatias, por vales e montes,
Gentis horizontes contemplam alfim!
Já a branca fumaça das casas se envola,
Sorriem corolas no tosco jardim!

Fulgura omachado em compasso fremente!
Já nasce a semente: se faz manancial!
lourejam as meses: há canto e verso,
Baloiçam nos berços as flores do lar!
Alteram-se a zorra, a carreta, a carrióla!
Há mestres na escola, Salésios no Altar!
E o pó das estradas os carros levantam
E os rádios já cantam, já fala o "tellstar"!

II. 1976: Festa e Tenções

ASCURRA, seu nome - de guerra lembrança -
Da meiga bonança mensagens nos traz!
Já flor centenaria, decante suas gestas:
- Labores e festas, e cantos de paz,
Nos lares floridos sentido de igreja,
Presença que adeja da Mãe de Jesus -
Proclamen seus Filhos no orgulho contente:
- No lindo Presente o Futuro reluz -.

Na senda de tantos avós vanguardeiros,
Fiéis mensageiros guardemos a união!
nem faltem nos filhos tenções de grandeza
Na humildade certeza de eterno florão!
Que Deus a Madona e o Santo Patrono
Dourados, mil sonhos, concedam plantar!
Bimbalhem nos sinos em tons centenarios
Os fremitos vários de um povo a cantar!

III. Final e Princípio

Por tudo o que somos: a Deus celebramos!
E pelo que foram: a Prece no Altar!
 Novel Centenário, que em festa esperamos,
Por nós que hoje somos: vem, luz triunfa!