Hino do município de Sumidouro

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Hino do município de Sumidouro
Letra por Antonio Joaquim Fernandes
Melodia por Dr. Carolino Ribeiro de Moura


Entre montes agrestes despertas.
Terra linda, ostentando primores.
Tens por manto a esmeralda dos campos,
Por dossel de altos céus os fulgores.

Penedias escarpas altíssimas,
Ao luar cingem gaze de prata.
Com as nuvens nos ares topando
São encantos que a vista arrebata.

Oh meu torrão querido.
Repleto de humos de ouro,
Aberto és de riquezas,
Transbordante tesouro.

Perpassam dôces auras,
De leve, perfumadas,
Corolas aspirando.
As brancas madrugadas.

Coleante qual dôrso de serpe
A jogar sobre as margens vigor,
Paquequer, Paquequer, féro ou manso
Dás a vida, a beleza, o esplendor.

E a cascata sonora e vibrante
Indo em volta os vergéis acordar.
Lá despenca do cimo da rocha
Algodão esgarçado a rolar.

Pureza diamantina
Fecundando o trabalho,
Gotejam noites calmas,
Em lágrimas de orvalho.

Quadro sublime, salve!
Oh ! Salve, maravilha,
Da potente natura
Imcompáravel filha.

De teus bosques no gôzo da sombra,
As rolinhas se contam segredos,
E o sol brinca em lampejos de luz
Na folhagem dos bons arvoredos.

Só tu guardas ufano e garboso,
Grata lenda do bravo Pery.
Goitacás de amôr puro e constante
Dedicado a mimosa Cecy.

Ternos, gazis cardumes
De aves trinam louvores,
As brizas, asas pandas,
Deliciosos cantores.

Do livro primoroso
De Alencar lindo feito,
Qual estrela refulge
Teu eternal conceito.

Cristal liquido em tons cintilantes,
Deslisando das serras no veio,
A pureza proclama da linfa
Na espessura do teu vasto seio,

Em granito de espumas bordado.
Que a torrente das águas consome
Sorvedouro profundo insondável,
Radiografa no espaço teu nome.

Plácidas, murmurosas,
Claras, limpidas fontes
Espelham, carinhosas,
Vales, campos e montes,

Caprichos, sedutores,
Soberbos, sem rivais,
Certo são teu orgulho
De encantos naturais.