História Geral do Peru/O Editor

Wikisource, a biblioteca livre
< História Geral do Peru
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
 
O EDITOR.
 

 
A verdade inalterável e a sinceridade escrupulosa e imparcial da história são qualidades essenciais que, na falta de uma delas, são confundidas com essas composições, fruto de uma imaginação frutífera, chamada romances, que servem apenas para encher os jovens de nulidades, ou para recreação inútil ou talvez prejudicial do belo sexo. Mas se com essas qualidades vier a comodidade, o método, a concisão, o julgamento, a clareza e
tudo o que for necessário para merecer dignamente o nome de história, será a que se apresente com esses ornamentos, que são tão adequados, dignos da pluma de um Tucidides, de um Titus Livius, e provarão a alma em sua leitura o prazer mais doce.

A do Inca Garcilaso, que tenho o prazer de apresentar ao público, atende a todos esses requisitos preciosos e indispensáveis, e quantos mais podem exigir os críticos mais inexoráveis​​. A apreciação e estima que foram merecidas aos escritores sábios e literários de dois séculos seus Comentários Reais, poderiam ser facilmente justificadas; mas como tal defesa seria ociosa, estando em uma posse tranquila e pacífica de tudo o que se desejar, e desfrutando de um lugar tão distinto na república das letras, basta afirmar que o laborioso e erudito D. Nicolás Antonio graduou essa história de copiosa, elegante, curiosa, verdadeira e segura : e que o ilustríssimo Feyjoó, cuja critica nada vulgar e pouco indulgente o esconde de todos os desafios, reconhece seu mérito em muitas partes do teatro, principalmente na última carta do quinto volume.

Confesso que não pude deixar de admirar que obras dessa natureza, procuradas pelos sábios da nação, desejadas por todos os curiosos, louvados, traduzidos e publicados em diferentes épocas pelos estrangeiros, inimigos jurados das glórias da Espanha, se tornem escassas, e se tornarem escassas no momento em que vemos edições repetidas e multiplicadas de outras que é impossível que sejam de tanto interesse para nossa nação, nem tão merecedoras de imortalidade; mas apesar dessa admiração, o pobre Inca quase desde o seu nascimento, sofreu essa fatalidade, não apenas antes da reimpressão publicada no ano 22 deste século que está a se expirar, mas também após essa data. Antes, seus Comentários Reais eram tão escassos que, de acordo com o testemunho do Sr. Don Gabriel de Cárdenas, seu editor e autor do Ensaio Cronológico da História da Florida do Inca, mesmo adquiri-los para copiá-los era difícil. Depois, a mesma falta foi sentida, e desde o ano 50, todos os curiosos se arrependem, com fortes votos de que sua reimpressão aconteça.

Em vista disso, resolvi-me após vários combates, e não com a persuasão de amigos, que é a música de todos, para uma empresa talvez superior às minhas forças, firmemente convencido de que prestaria um serviço marcante ao público; e consultando o gosto dominante do dia, preferi fazer a minha edição em Dozavo,[1] um sabor que não deixa de ter seus confortos e vantagens, e que pode ser facilmente defendido e justificado com o exemplo de outras nações entre as quais os livros não são considerados móveis inúteis, e que adotaram e deram preferência a esse tamanho.

A obra, tanto na sua origem como na edição de 1722, é intitulada Comentários Reais dos Incas, divididos em duas partes. A primeira, composto por nove livros, trata da origem dos incas, reis do Peru, seu sábio governo em paz e guerra, províncias que cada rei conquistou: deuses, idolatria, ciências, artes, usos e costumes de cada província em particular, assim antes de Manco Capac, fundador desse vasto império, e o primeiro que com seu raro talento e com suas astutas, embora cruas revelações, soube reunir em uma sociedade essas pessoas brutais, ensinando-as ao mesmo tempo as artes e a cultivar a terra, como em tempos posteriores, e até que os espanhóis as conquistassem sucessivamente: riquezas de ouro e prata que encontravam: animais, plantas, frutas que estavam no país e as que foram tomadas posteriormente, com o quanto seu autor pôde descobrir, tanto pela tradição verbal que, entre outras, foram fornecidas por seus dois tios Cusi Huallpa e D. Fernando Huallpa Tupac, homens bastante racionais e testemunhas da revolta de seu império, quanto pelos quipos sob que estavam a cargo dos contadores, a única escrita que eles alcançaram para transmitir suas memórias à posteridade. No segundo, dividido em oito livros, é dada uma conta exata e circunstanciada da conquista que concebeu e empreendeu o coração intrépido de D. Francisco Pizarro, Marquês de las Charcas e Atavillos, daquela monarquia dilatada e temperada, descoberta pelo mesmo anos antes, sem mais ajuda do que aqueles que poderiam fornecer D. Diego de Almagro e o presbítero Hernando de Luque, acompanhados pela coragem de treze companheiros tão sozinhos: guerras civis que introduziram discórdia entre Pizarristas e Almagristas: revolta de alguns tiranos e seus castigos: fatos já heroicos e imprudentes de alguns espanhóis e índios: embaixadas, artifícios de guerra entre si: obstinação nos combates e ações decisivas de ambas as partes: fundação de algumas cidades famosas e outras de menor nome: paz geral em quase todo o império devido à sanidade e maturidade de um homem de talento: renúncia solene que D. Diego Sayri-Tupac Inca fez em Lima pelas mãos de D. Andrés Hurtado de Mendoza, Marqués de Cañete, Virey do Peru, de todos os seus direitos a esse império na pessoa de Felipe II, rei da Espanha, de memória gloriosa, reservando para a vida a soberania das províncias de Villca-pampa, Tarma, Muyupampa e Chunchos: com outras coisas que vale a pena conhecer e que não é possível dar uma análise, por menor que seja.

Aqui está a divisão do autor. Vamos para o que eu tomo a liberdade de dar, por ser preciso devido à diversidade de tamanho, bem como por me parecer mais regular, sem alterar sua substância em nada.

Primeiro de tudo, embora Garcilaso se contente em dar à sua obra luminosa o humilde título de Comentários Reais dos Incas, pareceu-me, e não sem fundamento, classificá-la mais como a de História Geral do Peru, deixando também o outro título em segundo lugar. Eu digo não sem fundamento, porque se o nome da história é dado a uma lista verdadeira de eventos e ações famosos escritos com método e discernimento e por que não deveria ser dado ao que publicamos, reunindo em si quantas circunstâncias são necessárias?

Dessa forma, os cinco primeiros volumes desta edição, intitulada de novo História do Peru, compreenderá o que o autor chama de primeira parte e o restante da segunda. A divisão da primeira e da segunda parte, a subdivisão de cada parte em livros e a cansativa recompilação dos capítulos que compreende todos os livros, colocados no início de todos, que tive a comodidade de suprimir, porque, por ser formalidades arbitrárias e sem substância, e autorizada apenas pela moda dominante da época, não serve a outro propósito senão preencher papel de carta que não é lido; e que na edição que apresento poderia causar desordem e confusão, ou que alguns volumes sairiam éticos e outros muito roliços: pois há um livro que compreende 44 capítulos bastante extensos, enquanto outros incluem apenas 22 e muito curtos.

Também retirei do lugar que ocupava na edição citada a vida do rebelde Inca Inti Cusi Titu Yupanqui, aumentada pelo Senhor Cárdenas, reservando-a para o último volume, já que é o último dos incas, soberano já destronado e reconhecido apenas por alguns poucos índios montanheses, revoltosos e sanguinários, parece que naturalmente ele terá que ocupar um lugar posterior para seu rebelde antecessor e tio Tupac Amaru, com a qual Garcilaso termina sua história.

Com relação à ortografia, tentei cuidadosamente observar as leis sábias que a Academia Real da Língua Espanhola prescreve criteriosamente; e posso garantir sem auto-estima que, nesta parte, minha edição tem uma grande vantagem sobre as anteriores, pois o curioso pode se convencer de que, tendo todas elas, deseja assumir o trabalho irritante de compará-las.

Também tirei a licença para suavizar algumas vozes que não são muito consistentes com nossa prosódia atual e, portanto, muito severas e desagradáveis ​​para nossos ouvidos; mas nisso fui muito cuidadoso e econômico, percebendo que o maior mérito de uma pintura é representar o original com o mesmo traje que foi então usado, por mais ridículo, extravagante e desleixado que pareça aos nossos olhos. Essa consideração não deve ser perdida de vista por um momento na história, uma vez que deve ser verdadeira no todo, mesmo para nos tornar perfeitamente familiarizados com a linguagem apropriada aos tempos em que o historiador escreveu.

Desde que insinuei em passar o mérito da obra e sua escassez, e dei uma ideia sucinta dela e desta edição, não me parece estar fora de questão dizer algo sobre seu autor; porque, embora quase todas as notícias, para as quais vou apontar apenas, sejam encontradas em sua história ou no prólogo que o senhor Cárdenas colocou à frente da Florida do Inca, são tão difundidas, que, para reuni-los de um ponto de vista, é necessário desenhar pontos complicados, e é raro o leitor que deseja, em cada instância, cortar o fio de uma narração que deixa sua alma em doce surpresa para escrever o que encontra. Portanto, darei um extrato sucinto.

Claramente, esse grande homem, digno de memória perpétua e melhor fortuna, nasceu no ano de 1539 na cidade imperial de Cuzco, ou Cozco, como ele e todos os índios da época a chamavam. Se, com razão, se diz ser um dos maiores bens que o homem pode trazer ao nascer, devido à sua existência por pais esclarecidos, nosso autor pode se orgulhar dessa vantagem, pois Garcilaso de la Vega, natural de Badajoz, varão de grande prudencia, soldado esforçado e um dos conquistadores do Peru, foi neto do famoso Gomez Suarez de Figueroa, primeiro conde de Feria, segundo neto do iluminado Iñigo Lopez de Mondoza, da casa dos duques do Infantado e descendente do ilustre Garcia Perez de Vargas, o mesmo que conquistou a cidade de Sevilha dos árabes. Sua mãe era Dona Isabel Coya, filha de Huallpa Tapac, irmã de Huascar Inca, o último soberano desse império, que foi despojado dele e junto com a vida por seu infeliz irmão, o usurpador Atahuallpa, todos os três filhos de Huayna Capac, um grande guerreiro e homem muito talentoso, apesar de ter cometido o erro de dividir o reino entre seus dois filhos, que foi a principal causa de sua ruína.

Filho de pais tão ilustres, e firmemente convencido de que a virtude herdada é de pouca utilidade quando não é aperfeiçoada com a adquirida, insistindo em imitar as de seus anciãos, já purificados com a sublime moralidade evangélica; e desde a mais tenra infância, a carreira militar fixou seu esforçado coração. A infeliz negligência daqueles tempos esconde de nós as expedições militares desse jovem. Sabemos que aos vinte e oito anos após a conquista daquela terra, veio à Espanha abandonando todos os seus interesses para justificar a conduta de seu pai, injustamente difamada por seus rivais: sabemos que muito em breve a piedade de Felipe II lhe concedeu uma companhia, na qual serviu com grande distinção durante seu glorioso reinado, e também no de seu sucessor Filipe III: e finalmente soubemos que na mesma classe de capitão estava no comando de sua companhia na rebelião do reino de Granada e outras ações brilhantes oferecidas a cada passo no momento em que a trombeta do chamado ao combate não cessava.

Mas não pense que o jovem Garcilaso arrastado pelo brilhante resplendor do escudo de Marte olhou com desprezo para o humilde vestido de Minerva (permita-me dar à boa Deusa quem me acolhe sem respeitar a fábula). Embora as ciências da época merecessem pouca apreciação no Peru, já que o barulho das armas assassinas ainda ressoava, com tudo, desde as primeiras cartas, manifestava um desejo ardente de superar seus colegas de armas e a ansiedade com que devorava os livro que tinha à mão, era um feliz anúncio do que esse ilustre mestiço acabaria se tornando. Ele veio para a Espanha, como já foi dito, aos vinte anos de idade, e foi necessário aumentar sua inclinação para a leitura. Seu primeiro estudo consagrou-o à perfeição da língua castelhana por princípio, uma vez que o quíchua dos incas dividiam-se em muitos dialetos, embora ele tentasse cuidadosamente não lançá-lo no esquecimento, como deu créditos em muitas passagens de sua obra, declarando o verdadeiro e genuíno significado de algumas palavras indianas duvidosas ou equivocadas, mas isso poderia ser de pouca utilidade para ele. Mas não ficou contente em conhecer perfeitamente apenas a língua de sua pátria; estudou o italiano, por sua doçura e por ser então a língua dominante na Europa, foi a que merecia sua preferência. Deste, traduziu para o espanhol os Diálogos de Filosofia entre Filom e Sofia, obra escrita pelo hebreu Philon, cuja tradução dedicou à Majestade de Filipe II, que a apreciou de tal maneira que no no momento de entregá-lo ao guarda-joias lhe encarregou de conservá-la com cuidado e que ele não esquece de lembrar depois de chegar ao Escorial. [2]

Dominando ambos idiomas, se entregou com maior constância à história de seu país e, depois de ter lido com uma crítica imparcial e superior às daquele século, tudo o que tinha a ver com a descoberta e conquista das Índias Ocidentais, ele assumiu a tarefa de nos presentear com a História da Florida, que foi impressa pela primeira vez em Lisboa em 1609. Ele conduziu seus negócios com tanto cuidado que, segundo o testemunho do Sr. Cárdenas, não havia mais nada a desejar em material tão resistente a outras penas mais delicadas.

A história de seu império era a que desejava em última análise nos transmita; e, embora esse empreendimento intimidasse alguém que não fosse Garcilaso por muitas razões, depois de ter recebido tantos relatórios que lhe sugeriu sua sede insaciável de conhecimento, depois de ler com reflexão e críticas imparciais, Zarate, Herrera, Cieza, Gomara, Ercilla, os padres Balera e Acosta, e para aqueles que lidavam com os atos dos castelhanos naquela parte do novo mundo, com erros, resolveram pôr em execução seu pensamento premeditado, consagrando ao seu feliz sucesso a maior parte de sua vida, sem perdoar nenhum cansaço, de modo que a verdade seria o ornamento simples, mas principal, de cada linha. Com relação ao seu conteúdo e mérito, uma ideia sucinta já foi dada; resta acrescentar que esta obra também foi impressa em Lisboa pela primeira vez em 1617, isto é, um ano após a morte de Garcilaso: que recebemos as memoráveis ​​vidas e eventos de dezessete incas inclusive Sayri Tupac, que se sucederam pelo espaço de quase 600 anos, embora alguns deles só conservaram uma sombra de soberania, e até essa era precária: que o autor concede ao império do Peru 1300 léguas de comprimento, cuja extensão não é a mesma de hoje, como pode ser visto em todas as geografias modernas que lidam com o continente da América: e que o que menos sentimos falta é a cronologia do reinado e eventos memoráveis.

Finalmente carregado de virtudes, anos e méritos literários e militares, esse respeitável escritor morreu aos setenta e sete anos em Córdoba, onde havia estabelecido sua residência quase desde a sua chegada na Espanha. Seu corpo foi enterrado na Igreja da Catedral Sagrada daquela cidade na capela chamada Garcilaso, e duas lápides negras foram colocadas em seu túmulo com o seguinte epitáfio: epitáfio que rápida e completamente comprova o que foi dito.

"O Inca Garcilaso de la Vega, homem distinto, digno de memória perpétua, ilustre em sangue, perito em letras, valente em armas, filho de Garcilaso de la Vega, da casa dos duques de Feria e Infantado e de Elisabeth Palla , irmã de Huayna Capac, último imperador das Índias, comentou a Flórida, traduziu para Leon Hebreo e compôs os Comentários Reais. Ele viveu em Córdoba com muita religião. Ele morreu isento. Ele dotou esta capela. Ele se enterrou nela. Vinculou seus bens ao sufrágio das almas do Purgatório. São patronos perpétuos os Srs. Dean e Cabildo desta Santa Igreja. Ele faleceu em XXII de abril de MDCXVI. "

 
Historia General del Perú pg 32.jpg

.

  1. se aplica ao livro ou panfleto cujo tamanho é 1/12 da folha de papel (nota do tradutor)
  2. Palácio de Felipe II (nota do tradutor)