Incensos (1893)

Wikisource, a biblioteca livre

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Incensos
por Cruz e Sousa
Poema publicado em Broqueis (1893).
Obra com ortografia atualizada disponível em Incensos (ortografia atualizada).




D'entre o chorar dos trémulos violinos,
Por entre os sons dos orgãos soluçantes
Sóbem nas cathedraes os neblinantes
Incensos vagos, que recórdam hymnos....

Rôlos d'incensos alvadios, finos
E transparentes, fúlgidos, radiantes,
Que elévam-se aos espaços, ondulantes,
Em Chiméras e Sonhos diamantinos.


Relembrando thuribulos de prata
Incensos aromaticos desata
Teu corpo eburneo, de sedosos flancos.

Claros incensos immortaes que exhalam,
Que languidas e limpidas trescalIam
As luas virgens dos teus seios brancos.