João, o bom jornalista

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
João, o bom jornalista
por Humberto de Campos
Conto publicado em Grãos de Mostarda


(Pierre Veber)

Frio, impassível e tenaz, João era o "repórter", e nada mais. A sua profissão o havia dissecado, ou melhor, desumanizado. Não conversava, traçava linhas.

Seu punho esquerdo estava coberto permanentemente de notas a lápis, de endereços e apontamentos; o direito era uma série de sinais, que só ele entendia. Ninguém lhe conhecia parentes, nem amigos, pois isso lhe tomaria tempo. Em compensação, conhecia toda a gente e apertava a mão a quantos encontrava.

João era capaz de ações heróicas. Havia ficado vinte e quatro horas à porta de um hotel, sem espirrar. Durante o cerco de Paris, deixar-se-ia morrer de fome ao lado dos seus pombos-correio, preferindo isso a comê-los.

Uma tarde, ao entrar no jornal, entregaram-lhe uma carta. Pela letra reconheceu, logo, que era daquela que lhe tomava conta da roupa e do coração, e, de súbito, lembrou-se que não aparecia em casa há quatro dias. A carta dizia:

"Se não apareceres em casa esta noite, até onze horas, às onze e meia estarei morta".

João não pestanejou. Esperou pacientemente a meia-noite. A essa hora, sem que a voz lhe tremesse, chamou um colega:

— Sam, vai a tal rua, tal número, segundo andar, à direita. Há, lá, um caso sensacional: uma rapariga bonita; e nova, acaba de suicidar-se, por amor. Vai, e traz-me as notas, para a notícia.

E ficou esperando, certo de que o seu jornal seria o único a dar o "furo". Para economizar tempo, começou a escrever a "cabeça" da notícia, e a sua mão nem, sequer, tremia.

Só no dia seguinte Sam voltou à redação, João interroga-o, severo:

— Você não foi onde eu mandei?

— Fui, sim.

— E então? A rapariga de que falei?

— Encontrei-a, sim; mas, não se tinha suicidado, ontem, não.

— E hoje?

— Hoje? Pior! — informou o companheiro.

E com ar feliz:

— Quando, hoje, de manhã, eu e ela nos levantamos, nem falamos nisso!