Luz da natureza (grafia original)

Wikisource, a biblioteca livre

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Luz da natureza
por Cruz e Sousa
Poema agrupado posteriormente e publicado em Ultimos Sonetos (1905).
Texto com ortografia atualizada disponível em Luz da natureza (grafia atualizada).



Luz que eu adóro, grande Luz que eu amo,
Movimento vital da Natureza,
Ensina-me os segredos da Belleza
E de todas as vózes por quem chamo.

       5Mostra-me a Raça, o peregrino Ramo
Dos Fortes e dos Justos da Grandeza,
Illumina e suavisa esta rudeza
Da vida humana, onde combato e clamo.


Desta minh'alma a solidão de prantos
       10Cérca com os teus leões de brava crença,
Defende com os teus gladios sacrosantos.

Dá-me enlêvos, deslumbra-me, da immensa
Porta espheral, dos constellados mantos
Onde a Fé do meu Sonho se condensa!