Marmores (1895)/Mahabarata

Wikisource, a biblioteca livre
< Marmores (1895)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
IV
Mahabarata

Abre esse grande poema onde a imaginativa
De Vyasa, num fragor echoante de cascata,
Tantas façanhas conta e dessa estrenua e diva
Progenie de Pandú tantas glorias relata!

Ora Kansa, a suprema encarnação do Siva,
Ora os suaves perfis de Krichna e de Virata
Perpassam, como heróes, numa onda reversiva,
Nas estrophes caudaes do grande Mahabarata.

Olha este incendio e pasma: aspecto bello e triste!
Caminha agora a passo este deserto areoso...
Por cima o céo immenso onde palpitam sóes...

Corre tudo, offegante, e, finalmente assiste
Á ascenção de Iudhishthira ao Indra luminoso
E á apotheose final dos ultimos heróes.