Memória sobre a ilha Terceira/V/I/VII

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

CAPÍTULO VII Aclamação de D. António, Prior do Crato, e sua vinda à ilha Terceira Vendo El-Rei D. Filipe de Castela,1 que, para subir ao trono português, não lhe bastavam as ameaças e subornos empregados pelos seus adeptos, mandou o Duque de Alba2 marchar sobre Portugal com o seu exército, encontrando, na sua frente, D. António, o Prior do Crato,3 a quem os portugueses tinham aclamado Rei, chegando a prestar juramento às cortes, em Lisboa. Batido em Alcântara,4 às portas da capital, fugiu D. António para o Minho, até que, mais tarde, pôde refugiar-se em França, ficando Filipe II senhor absoluto de Portugal. Por este tempo, 1580, encontrava-se ainda a ilha Terceira algum tanto próspera, tendo a sua baía frequentada pelas armadas da Índia, Guiné, Brasil e de outros pontos do mundo, que procuravam sempre, nas suas derrotas, o porto de Angra para se abastecerem de víveres. Vivia o povo terceirense tranquilamente, e muito longe dos acontecimentos do reino, quando recebeu, em julho de 1580, por mão do fidalgo António da Costa, a notícia da aclamação de D. António e da próxima invasão dos espanhóis. Perante a Câmara da Vila da Praia, foi lida a seguinte carta, escrita pelo próprio D. António, sobre a sua aclamação: «Juízes, e vereadores da Vila da Praia da ilha Terceira: Eu El-Rei vos envio muito saudar. Já tereis sabido como foi Deus servido de me alevantarem e haverem por Rei destes reinos, a cidade de Lisboa, e outras Vilas, e lugares deles; e como isto foi mais por vontade e permissão Sua do que por outros meios procurados por mim; e Ele sabe como meus intentos foram sempre, e são hoje, estar em seus merecimentos mais a conservação da coroa de Portugal, do que no meu particular; e ainda que as razões que para isso tenho sejam tão justas, e devidas, e tão notórias, confio da lealdade antiga dos portugueses que os que o foram bons e verdadeiros, não desistirão em seguir o que eles bem souberem, e lhe parecer conveniente à paz destes reinos, que com deliberado acordo têm mostrado, e entendido lhes convém para poderem viver em liberdade, e justiça; e os reis anteriores destes reinos sempre os contaram fora das dúvidas que houveram de ter; nem o contrário disto eu podia entender, e tenho por certo de vós, e do leal povo dessa Vila, que vós ouvireis e fareis que me reconheçam e obedeçam ahi por seu rei, e senhor crendo de mim que me queiram para seu defensor e senhor [... palavras que não se entendem ...] destes reinos, por me pertencer, como o declarei nos protestos que fiz como de Rei alevantado, e assentado. Faço-vo-lo assim saber para que de vossa resposta entenda o que nisto fizerdes, e o que devo de mandar fazer em outras, quando ahi essa Vila isso faça, que espero será o que vos nesta digo. Com muita tenção e vontade terei sempre em lembrança devida vossas obras, e vos farei por isso particular, e geralmente mercês, honras, e acrescentamentos; e de contrário me darei por desservido, e determino que... com esta minha carta... posta no serviço de Nosso Senhor, e no bem universal dos vassalos, e povos destes reinos. E mando a António da Costa, cavaleiro fidalgo de minha casa, com esta carta para vo-la apresentar, e me trazer vossa resposta, e acordo que nisso fizerdes. Escrita em Lisboa a 9 de julho de 580 anos. Para o juiz, e vereadores da Vila da Praia da ilha Terceira, por El-Rei.»


0457

Igual carta foi entregue às Câmaras de São Sebastião e de Angra, procedendo-se imediatamente às cerimónias de luto e pranto pela morte do Cardeal D. Henrique, e em seguida prestaram as três Câmaras o juramento ao novo Rei D. António, perante o emissário António da Costa, que passou depois à ilha de Faial com o fim de o aclamar ali também. Passado pouco tempo, recebeu-se, com grande descontentamento, a notícia da derrota de D. António, e que todo o Portugal se submetera definitivamente a Filipe II de Espanha. Este abalo inesperado, teve, come consequência imediata, a formação de dois partidos políticos, antagonistas, na ilha Terceira. Os mais fracos eram instigados e apoiados pelos padres jesuítas, André Gonçalves, Pedro Freire, Baltazar Barreires, Pedro Jorge e outros, que proclamavam o partido de El-Rei de Castela; mas, apesar da nova corrente de opiniões, nem por isso deixou o partido de D. António de encontrar valiosos adeptos entre os grandes da ilha e entre as classes inferiores da sociedade terceirense. A notícia do desastre de D. António fora dada por um emissário, Diogo Dias, que aportara ao porto de Angra numa armada composta de doze galeões,


0458

levantando-se logo o povo, para novamente corroborar o juramento que, poucos dias antes, prestara. Vindo ao conhecimento da Câmara de Angra, que D. António desaparecera após a sua derrota, chegando alguns a dizerem que tinha sido morto no campo da batalha, resolveu enviar a Portugal os emissários Estêvão Cerveira, Jorge Lopes e Frei Melchior, da Ordem de São Francisco, para se certificarem do estado em que se encontrava o país e, ao mesmo tempo, procurarem o seu Rei. Foram-no encontrar ferido em Aveiro; e, depois de lhe exporem o estado em que estava a ilha Terceira e o firme propósito de o defenderem até à última gota de sangue, respondeu-lhes D. António que não desistia da sua empresa, e que, apesar dos desastres sofridos, esperava restaurar-se com novas forças e que brevemente partiria para França, onde contava receber valioso auxílio para destruir D. Filipe. Voltaram os emissários plenamente satisfeitos, e com tais novas se fortificaram os ânimos dos terceirenses, apesar da continua luta dos jesuítas com o povo, instigando-o e ameaçando-o a seguir o partido de Castela, valendo-se para isso do púlpito e do confessionário. Continuavam os ânimos bastante exaltados; e, vendo os partidários de D. Filipe que havia tendência para aumentar o partido contrário, resolveram, ocultamente, aclamar o Rei de Castela, na primeira ocasião que se lhes proporcionasse. Tendo, por casualidade, aparecido em frente à baía de Angra uma nau da Índia, que se supôs ser do continente, e antes de haver comunicação com terra, os conjurados, na pessoa do fidalgo João de Bettencourt, tentaram fazer a aclamação, percorrendo aquele cavalheiro as ruas da cidade, clamando em alta voz — Viva El-Rei D. Filipe. Baldados esforços foram estes, porque o povo, amotinando-se, tentou matar João de Bettencourt, que se viu obrigado a procurar refúgio em uma casa da Rua Direita, onde foi preso pelo alcaide-mor, que o livrou da fúria da populaça, sendo por fim recolhido à cadeia. Esta imprudência do partido de Castela, deu mais alento ao seu antagonista; pois que, os vivas a D. António iam-se repercutindo, a pouco e pouco, em todas as freguesias da ilha Terceira, enquanto o desgraçado João de Bettencourt, desprezado e abandonado vilmente pelos seus correligionários, jazia fechado num cárcere. Em janeiro de 1581 chegava ao porto de Angra uma nau francesa, comandada por António Escalim,5 trazendo novas de D. António, e do grande auxílio que esperava receber do. Rei de França. Exultou de alegria o povo terceirense, que, durante três dias consecutivos, comemorou tão fausta notícia com luminárias, salvas de artilharia e mosquetaria. O destino fatal não quis que esta alegria durasse muito; e, em breve, os sorrisos foram substituídos por lágrimas. Em pouco tempo soube o povo terceirense que D. António fora novamente derrotado no Porto pelas forças


0459

de Sancho de Ávila, por ordem do Duque de Alba, e que o próprio D. António desaparecera, ignorando-se se era vivo ou morto. Não se acobardou o valente Ciprião de Figueiredo, com esta terrível notícia, e, auxiliado pelos seus amigos, procurou incutir no ânimo do povo terceirense a esperança da vitória, lembrando-lhe ao mesmo tempo o cumprimento de seu juramento. Tendo escrito, em 6 de janeiro de 1579, uma extensa carta à Câmara de Ponta Delgada, censurando-a por ter abraçado o partido de D. Filipe, reconhecendo-o como Rei de Portugal, e ao mesmo tempo exortando-a a seguir o partido de D. António, recebeu, como resposta de todas as Câmaras da ilha de São Miguel, reunidas a 8 de março de 1581, que não só reconheciam o Rei de Castela, como legítimo soberano de Portugal, mas aconselhavam também Ciprião de Figueiredo a seguir as mesmas pisadas, aliás o denunciariam como rebelde. Filipe II, ao tomar conta do trono de Portugal, tratou imediatamente de submeter os Açores ao seu domínio, mandando Ambrósio de Aguiar Coutinho, como governador e capitão-mor, à ilha Terceira, para aqui o aclamar. Saiu este emissário de Lisboa no dia 20 de abril de 1581, chegando primeiro a São Miguel, pelo lado do norte, onde mandou desembarcar Jácome Roiz Tibau, seu veador, no lugar dos Mosteiros; e, como o vento crescesse rapidamente, pondo a embarcação em perigo, arribou à ilha Terceira, onde mandou a terra uns emissários, com uma participação às autoridades da ilha, de que estava ali, por ordem de Sua Majestade D. Filipe, para o fazer aclamar como Rei de Portugal, concedendo ao mesmo tempo o perdão para todos os que tinham tomado parte na rebelião. Foram imediatamente chamados à Casa da Misericórdia, o corregedor Ciprião de Figueiredo e os vereadores da Câmara, e, depois de alguma discussão, foi resolvido não receber o emissário de D. Filipe, dando-lhe ao mesmo tempo ordem para se ausentar. Não foram pois muito felizes os enviados de Ambrósio Coutinho, que, com muito custo, voltaram para bordo perseguidos pelo povo; o qual, tendo tomado conhecimento do fim a que vinham, quis revoltar-se e apedrejá-los. Perante esta atitude do povo, resolveu o comandante da nau voltar para São Miguel, onde se ofereceu o arcediago Manuel Gonçalves, que com o bispo estava residindo naquela ilha, para vir à ilha Terceira, a fim de resolver o povo a reconhecer El-Rei D. Filipe. Tendo embarcado num pequeno batel, chegou a esta ilha no dia 2 de junho do mesmo ano, e ao aproximar-se do cais reconheceu-se o fim a que vinha, não deixando o povo desembarcar este personagem, insultando-o e proibindo-lhe comunicar com alguém de terra, inclusivamente seu pai. Durante alguns dias ficou detido o barco, perto da fortaleza de Santo António do Monte Brasil, de onde era vigiado, até que se viu obrigado a voltar para


0460

São Miguel. Como o vento rondasse para o sul, e portanto contrário à sua derrota, arribou à Vila da Praia, onde teve o mesmo acolhimento; e só no fim de oito dias pôde dirigir-se para Ponta Delgada. Conhecendo D. Filipe a resistência que opunha a ilha Terceira em o reconhecer como Rei de Portugal, e estando já em posse pacifica da coroa portuguesa, escreveu a seguinte carta a Ciprião de Figueiredo, com o fim de evitar o derramamento de sangue, e por saber, pela denúncia feita pelas Câmaras da ilha de São Miguel, que aquele corregedor era um acérrimo partidário de D. António, e de grande influencia no ânimo do povo terceirense: «Doutor Cipriam de Figueiredo: eu El-Rei vos envio saudar, não podendo deixar de crer de vos que cumprireis com a obrigação, tendes a meo serviço e ao bem dessa Ilha e a que particularmente vos toca, me parece encomendarvos isto mesmo, que de vos confio que fazendo vos assim como é de crer; não sómente vos perdôo as culpas passadas: mas que folgarei de vos fazer mercê pelo serviço que de vos nisto espero; para que se escuzem os grandes damnos dessa Ilha, e dos moradores dela e seu povo, indo sobre ella o apercebimento que tenho mandado fazer de gente, navios, moniçães; como tudo largamente vos dirá quem vos esta minha carta dará. Escripta em Lisboa a 14 de outubro de 1581.» A esta carta respondeu Ciprião de Figueiredo, nos seguintes termos: «Vi a carta que V. Magestade me mandou por Gaspar Homem, na qual me dizeis, que não podeis deixar de crer de mim, que cumprirei com a obrigação, que tenho a vosso serviço, bem desta Ilha com que particularmente me toca; prouvera a Deos que tivera V. Magestade lembrança da em que estais aos Reys de Portugal, principalmente ao Serenissimo Infante D. Luís, que com seus vassalos e Pessoa sempre em guerras ajudou ao Imperador vosso Pay, porque nem as fizereis contra o reino com El-Rey D. António, seu filho, ofendendo tanto a Deos Nosso Senhor nos estragos de honras, vidas, fazendas que cauzastes no meu, e os portugueses verdadeiros seus vassalos deixaremos de vos servir como a Rey christão e a quem sempre amou a nação Portugueza; mas como V. Magestade se esqueceo de tão devida razão, e da do sangue pelo muito parentesco que tendes com os Reys de Portugal, nem V. Magestade lhe cabe querer que eu o sirva como vassallo, nem a mim convem obedecer como subdito. Esta Ilha e moradores della são de El-Rey D. António, a quem juraram por seo Rey, e natural Senhor; assim pela sucessão do Reyno lhe pertencer, e o povo dela o ter eleito; como por a cidade e camera de Lisboa isso escrever: as razões e justiça que para isso havia, não posso eu crer que V. Magestade não as tenha muitas vezes passadas pela memoria. E ainda que outras não houvera mais que a eleição do povo, que nesse Reino por muitos annos tem direito do nomear Rey (faltando descendentes adquiridos) bastára entrar V. Magestade nele com mão armada estando em letigio, para ainda que tivereis muita justiça perderes todo vosso direito: mas em Deos confio, que tudo ha de tornar ao estado, que nem V. Magestade por occupar o alheo perca sua alma, nem o que está por ora uzurpado deixe de vir ao poder do seo dono: não me tenha V. Mages.tade por atrevido; mas julgue-me por desenteressado; e prouvera a Deos que Reys tiverão homens livres e pouco ambiciosos em seos conselhos; porque nem El-Rei D. António chegara aos termos que o pozerão tamanhas traições: nem V. Magestade a perigo de perder o seo, e pôr em risco toda a Christandade. Coitado daquele que ha de dar conta no final juizo das honras, mortes, fazendas de tantos, da liberdade e gosto da vida; porque para quem se perdeo não haverá arrependimento que baste em satisfação, por se lhe acabar tempo. Se V. Magestade bem cuidar na hora da morte que nos espera, e quantos males nela se nos hão de reprezentar, e as penas, que pelos que tendes em Portugal feito eternamente haveis de ter, e justamente haveis de padecer lembrando-vos quam perto estais de se vos acabar tudo. Ah! como dareis uma volta tão grande ao passado porque tudo se vos ha de então ser prezente. Quanto melhor vos fará estar em vossos Reinos pacifico, vossos vassalos quietos, amado de todos os Reys Christãos, e servido de todos os seus; que com o que tendes feito em Portugal: não somente os christãos, mas todas as nações infieis vos terão intrinseco odio: Cuydai quantos innocentes matastes com o vosso exército: cuydai nas honras das viuvas, e donzelas roubadas, e nos gemidos que ante a Divina justiça estão pedindo de vos: lembre-vos quantas casadas por adulterio forçosas são apostatadas; os templos de Deos que profanarão; as Religiozas que deshonrarão; a servidão em que pozestes os moradores de Portugal; e finalmente tudo o que nele cauzastes, que Deos tem tomado à sua conta o tomar-vol-a com rigoroza jus-tiça; como por um Reyno que mais que todos do mundo nobilitou, dando-lhe suas sagradas chagas, com que nos redernio, por armas que foi signal penhor de nunca o desamparar: as cousas que padecem os moradores desse afligido Reino, bastavão para vos desenganar que os que estão fora desse pezado jugo, quererião antes morrer livres, que em paz subjeitos: nem eu darei aos moradores desta Ilha outro conselho; porque não perca minha alma, nem minha honra, que trocarei quantas vidas tivera, e podera possuir por morrer leal a meu Rey que jurei: porque um morrer bem é viver perpetuamente; daqui me veio ter mais conta com perservar até o fim da vida nesta lealdade que temer os vossos apercebimentos de gente, navios e munições com que V. Magestade na sua me ameaça; porque confiando em Deos que peleja por nós para os navios está o mar, e portos desta Ilha aparelhados, para as munições as fortalezas, e muitos poços para meter neles toda a gente que nos vier buscar; a que se não perdoará; pelos malles que resultão de perdões. Não me ponha V. Magestade culpa, porque jurei a D. António por meu Rey e senhor, e de defender esta coroa, que tambem fizera o mesmo por vós se vos tivera jurado (posto que não com tanto gosto) porque basta ser Rey português: e se a desventura me chegasse a estado que ficasse com vida subjeito, e por fazer o que devo me mandassem matar; perdendo a vida pelo Senhor D. António, então a ganhava, e tãobem não perderia a memoria de minha lealdade, nem se perderia a fama de Vossa crueza e sem justiça. Eu não sirvo a El-Rei D. António por interesse (posto que delle se podião esperar maiores mercês que de nenhum outro Rey); mas sirvo-o com a pureza de minha obrigação, de que resulta não me moverem mercês prometidas; que foy o laço em que cahio Portugal; porque fóra do que nenhuma couza me poderá mover a troco de vender a honra, e lealdade, que não tem preço, nem há nenhum que eu tanto estime: lição que a muitos Fidalgos esqueceo. Nosso Senhor leve a V. Magestade para o seo Reyno, e restitua o de Portugal ao seo amado Rey, o Senhor D. António; como os seos verdadeiros e leaes portuguezes dezejamos. Desta muito nobre e sempre leal cidade de Angra, Ilha 3.ª de Jesu Christo, em 13 de março de 1582.» Que exemplo de firmeza de carácter e amor pátrio, digno de ser imitado! Não se acobardou o valente corregedor com a atitude de Filipe II; e, sem descansar um só momento, tratou com toda a sua energia da fortificação da ilha, para obstar à invasão espanhola que o ameaçava. Enquanto D. António percorria o estrangeiro, em busca de reforços para derrotar Filipe II, recebia a rainha de França, Catarina de Medicis,6 a seguinte carta de Ciprião de Figueiredo: «Mui alta e Serenissima Rainha e Snr.ª — Antonyo Escalim, criado de v. magestade, que a esta ilha Terceira cidade d'Angra veio, com recado de Antonio de Brito, que nessa corte anda em negocio del Rey Dom António cujo vassallo sou, e o estou servindo nesta provincia das ilhas das ilhas dos Açores de Corregedor e outros cargos e nesta cidade de capitão-mor, que me disse da parte v. mag.e quanta vontade tinha de socorrer as partes que estivessem por El-Rey D. António, e que por minha lealdade e destes povos mandava v. mag.e, que sendo necessario socorro a esta ilha, o mandaria e que lho escrevesse, foi esta mercê mui grande para este povo e para mi a quem os inimigos tanto desejão acolher à mão, mas a morte que o inimigo me procura he cousa mui pouca para à vontade que eu tenho com muita lealdade de morrer por meo Rey e Snr.; cujo Real Estado confio, que depois de Deos, será restaurado por meios de v. mag. e do christianissimo Rey vosso filho, em os quais todo o mundo para este bem tem postos os olhos, porque isto he obrigação que os Reys desse populoso Reyno tem a este tão oppresso de Portugal: populoso pto (posto, tempo?) fora em que os Reys antepassados desse Reyno de França nos tem posto, como já per duas vezes nos restauraram, lembro a v. mag. quanto Deos amou a este Reyno, que honrou com lhe dar suas chagas por armas, e que cumpre a sua honra, com vosso poder, as desempenhar do poder de que estão de Rey estrangeiro: lembro a v. mag. que he obrigação de hum Rey quando outro se vai, como homem tão perseguido, acolher em suas terras: lembrai-vos poderosa Raynha de livrar de cativeiro perpetuo tantos inocentes pobres e pequenos, que pelos grandes e desleaes estão sojeitos ao jugo de Rey estrangeiro. Fico cada dia esperando com todo este leal povo a vinda dos inimigos posto que falto d’armas e munições: esperamos até agora soccorro, se a vida nos faltar não faltará a lealdade nunca: sendo v. magestade servida todo o favor será grande mercê para nós e ajuda a nosso Rey restaurador. A vida e Real Estado a v. mag. por muitos anos e saude, a 11 de junho de 1581. = Cypriam de Figueiredo.»


0463

Além desta carta, recebeu também Catarina de Medicis, outras, de Frei Pedro da Madre de Deus, Amaro Lopes da Costa, vigário de Angra, da abadessa do Convento da Esperança e de Frei Simão de Barros. A Henrique III, rei de França, dirigiu-se também o corregedor Ciprião de Figueiredo, e as Câmaras de Angra e de São Sebastião, implorando o seu valioso auxílio para D. António. Vendo Filipe II a resistência pertinaz que lhe opunha a ilha Terceira em reconhecê-lo como Rei de Portugal, ordenou que uma armada suficiente se dirigisse para São Miguel, para comboiar as naus, vindas do Brasil e Índia, mas que não tentasse invadir a ilha Terceira à força armada, antes procurasse rendê-la em boa paz e com grandes promessas. Ao amanhecer do dia 5 de julho de 1581, apareceu esta armada à vista de Angra, vinda do nascente, e composta de oito galeões, um patacho e uma caravela. O regozijo foi geral, porque os partidários de D. António julgavam ser o socorro da França e Inglaterra, há muito prometido, e os de Castela pensavam ser a esquadra de D. Filipe para sujeitar a ilha Terceira ao seu domínio. Em breve se desenganaram os primeiros, ao verem a armada postar-se em frente à baía, mandando a terra um pequeno barco de pesca, aprisionado pela gente de bordo, com ordens para as autoridades entregarem a ilha Terceira sob a condição de lhe ser perdoado o crime de rebelião. Por mais uma vez rejeitou o povo terceirense a concessão que lhe era feita, declarando terminantemente a D. Pedro de Valdez,7 comandante da armada, que só reconheciam a D. António como Rei de Portugal, e por ele verteriam a última gota de sangue. Perante uma resposta tão decisiva, resolveu D. Pedro de Valdez assestar a sua artilharia para a cidade, e depois


0464

de um pequeno tiroteio, sem resultado, retirou-se ao largo, mandando participar a El-Rei D. Filipe a altitude em que estava o povo terceirense. A ambição de alcançar uma vitória e a afronta recebida, obrigaram D. Pedro de Valdez, ferido profundamente no seu orgulho, a atacar a ilha Terceira, à força armada. E, antes que lhe viessem novas ordens, julgou conveniente fazer desembarcar a sua gente num ponto acessível, a qual, juntamente com os partidários que se haviam refugiado nas montanhas, facilmente conquistaria a ilha, ou, pelo menos, poderia sustentar-se em terra até lhe chegarem reforços. Estudando toda a costa do sul, D. Pedro de Valdez descobriu que o melhor ponto de desembarque seria o do Porto Judeu, por lhe parecer o lugar menos fortificado; e no dia 25 de julho de 1581 foi colocar-se a armada espanhola em frente àquela freguesia e à de São Sebastião, onde se deu a célebre batalha da Salga. Batalha da Salga Não dormia o povo terceirense com a sua defesa, desde que viu a disposição hostil de D. Pedro de Valdez, e muito menos o intrépido Ciprião de Figueiredo, que, conhecendo o ponto mais fraco da ilha e não confiando na defesa do Porto Judeu, para ali mandou, no dia 24 de julho, o licenciado Domingos Onsel com vinte arcabuzeiros e dez piqueiros, para auxiliarem a companhia que estacionava no forte de Santo António e guarnecia a costa da Salga. Este capitão, oculto adepto de El-Rei D. Filipe, mas, aparentemente, partidário de D. António, marchou para o seu destino com toda a força que lhe fora confiada; e, antes de chegar ao Porto Judeu, fez retroceder, para Angra, os dez piqueiros, com o firme propósito de enfraquecer a força de terra, e por último, ao ver a defesa regular da costa, fez distribuir carne e vinho em abundância por toda a guarnição para que a embriaguez a deixasse incapaz de resistir ao inimigo. À chegada do destacamento enviado por Domingos Onsel, para a cidade de Angra, reconheceu Ciprião de Figueiredo o novo traidor; e, imediatamente fez marchar maior reforço de gente armada, tanto a pé como a cavalo, não deixando de conservar em Angra o suficiente para resistir a D. Pedro de Valdez. Em todos os pontos da costa se tinham espalhado vigias e feito trincheiras, onde foram assestadas algumas peças, e dispostos os soldados de modo a poderem acudir de pronto ao local escolhido para o desembarque. Disposta a armada em linha de combate, mandou Valdez embarcar nas suas lanchas a primeira coluna da sua força de desembarque, composta de duzentos homens, convenientemente armados e com alguma artilharia, tendo à frente o seu sobrinho D. Juan de Valdez, mestre de campo; e antes de


0465

raiar o dia, dirigiram-se para a baía da Salga, onde começou o desembarque. Quando o vigia, estacionado na Ponta dos Coelhos deu por esta manobra, e deu o sinal de alerta, já a tropa tinha saltado em terra pacificamente, e de improviso, assenhoreando-se dos principais pontos estratégicos. Tocou a rebate o sino da igreja; e quando a gente armada chegou ao local do desembarque, encontrou na sua frente a força inimiga, comandada pelo dito D. Juan de Valdez, tendo como capitães D. Juan de Bazán, sobrinho do Marquês de Santa Cruz,8 e um sobrinho do Conde de Alba. A força castelhana, ao mesmo tempo que repelia a tropa de terra, protegia o desembarque de novos reforços; e quando a companhia, que estacionava na freguesia de São Sebastião, chegou ao campo da batalha, comandada por Baltazar Afonso Leonardes, já estavam em terra quinhentos espanhóis, espalhados pela Salga e pelo lugar denominado o Vale. Reforçados com novas tropas vindas de bordo, resolveram os espanhóis atacar os terceirenses que ocupavam as colinas circunvizinhas, e desalojar os que se encontravam na propriedade de Bartolomeu Lourenço, casado com Brianda Pereira,9 um dos poucos pontos estratégicos que os terceirenses ocupavam. A luta foi renhida por um momento, conseguindo os espanhóis aprisionar o marido e um dos filhos daquela dama terceirense. Vendo-se sem os seus entes queridos, e como esposa virtuosa e mãe desvelada que era, pôde mostrar publicamente o seu ânimo varonil, armando com dardos as mulheres que tinham corrido à peleja com os seus maridos, e atacando com denodo o exército inimigo, conseguiu salvar o seu esposo e filho, ambos feridos no combate. Perante este valor espartano e coragem não excedida, vacilaram os espanhóis, na ocasião em que, por encanto, chegavam as forças de Angra comandadas por Sebastião do Canto, Pedro Cota da Malha, Bernardo de Távora, Gaspar Cavio de Barros e Francisco Dias Santiago, e pouco depois, da Praia, tendo à sua frente Gaspar Camelo Borges do Rego e Simões de Andrade Machado. Formava a reserva os soldados franceses da nau de António Escalim e alguns naturais das outras ilhas, que se encontravam na Terceira. Vendo D. Juan de Valdez o grande reforço que acaba de chegar, e esperando que os seus partidários da ilha concorressem ao campo da batalha envolvendo assim a força terceirense, contentou-se em ficar à respetiva distância até ao meio dia; porém Ciprião de Figueiredo, conhecendo-lhe a intenção, ou julgando-se em melhores condições, passou a tomar a ofensiva, atacando com valentia as posições ocupadas pelo inimigo, que era já em grande número. O choque foi grande; e por algum tempo se conservou indecisa a vitória, até que, por indicação de Frei Pedro, religioso de Santo Agostinho que


0466

acompanhara a força de Angra, resolveu Ciprião à Figueiredo mandar vir o gado bravo que estava perto, e pondo-o à sua frente, fazê-lo investir contra as fileiras inimigas, o que permitiu aos terceirenses um ataque mais fácil, pela confusão estabelecida no inimigo. Não podendo resistir a este assalto, dado de improviso, viram-se obrigados os espanhóis a recuar até à beira-mar, onde muitos se lançaram à água e outros se entregaram sem resistência, conseguindo-se, por esta forma, a vitória para os terceirenses. Durante esta sangrenta batalha, em que se praticaram atos de heroicidade, morrendo centenares de espanhóis, uns, pugnando pela sua causa, outros, mortos traiçoeiramente pela fúria da populaça, sobressaíram pelo seu valor, D. Brianda Pereira, de que já falámos, e Gonçalo Eanes Machado, com mais de sessenta anos de idade, e que, vendo cair morto a seu lado um dos filhos, tão desesperado ficou que, montando num cavalo e empunhando uma lança, caminhou sozinho contra o inimigo causando-lhe grande destroço, vindo, por último, a morrer sufocado pelo número. Merece igual menção outro velho, chamado António Gonçalves, que, ao chegar ao campo da batalha, foi insultado por um castelhano com as seguintes palavras: «Eia, velho português, que, ainda antes da noite, hás de ser por nós feito cabrão, e mais quantos te rodeiam!» Perante este insulto não se acobardou o nobre velho e, valendo-se da sua boa pontaria, carregou o seu arcabuz com que matou o soldado, e descobrindo-se, disse em alta voz: «Eia, castelhanos, António Gonçalves, depois de velho e cavaleiro, e sua mulher nobre e velha como ele, não querem ser por vós enxovalhados, tu que o disseste já não cumprirás o teu danado intento!» Reconhecendo D. Pedro de Valdez o erro que cometera, deu imediatamente o sinal de embarque, deixando em terra alguns prisioneiros, e um grande número de mortos no campo da batalha, entre os quais estavam D. Juan de Valdez e D. Juan de Bazán. Não se ponde calcular com exatidão o número de mortos, porque além dos quinhentos cadáveres encontrados em terra, muitos outros pereceram sobre a rocha do mar na ocasião do embarque. Depois de levantar ferro a armada espanhola, marchou Ciprião de Figueiredo para a cidade, deixando bem guarnecida a fortificação da Salga, vindo encontrar uma receção estrondosa por parte dos angrenses, que ansiosos esperavam o vencedor. Houve missa no dia seguinte, em ação de graças, na Sé Catedral, a que assistiram todas as ordens religiosas, com exceção dos jesuítas, e em seguida uma procissão. Findas estas cerimónias religiosas, a que assistiu sempre Ciprião de Figueiredo, dirigiu-se este valente magistrado, com alguns franciscanos e gracianos, ao campo da batalha, onde, com todo o respeito, se procedeu ao enterramento dos cadáveres.


0467

Não descansou o intrépido corregedor sobre os louros da vitória; antes pelo contrário, redobrou de atividade, ao ver a insuficiente fortificação da ilha Terceira. Na Vila da Praia, reduzia-se apenas a quatro baluartes e muros em volta da povoação, construídos por Antão Martins Homem em 1483, e tornava-se urgente que a ilha Terceira apresentasse, em toda a sua costa marítima, uma defesa capaz de resistir a qualquer inimigo. Sob a direção enérgica de Ciprião de Figueiredo, construiu-se o forte do Zimbreiro, depois do de Santo António, na ponta do Monte Brasil; e, dentro da baía da cidade, a partir deste último forte, um, próximo do Porto Novo, e outro, no lugar da Prainha. Todos os três fortes, munidos de boa artilharia, eram fechados e comunicavam entre si por meio de muros e corredores. Para a costa de oeste construiram-se os fortes de São Mateus da Calheta e do Negrito; e, dali até à Serreta, fizeram-se trincheiras em vários lugares por ser a costa muito alta e inacessível. Para o lado do nascente, levantaram-se os seguintes fortes: um, a seguir ao Castelinho e em frente à Grota do Vale; e daqui até à Feteira, apenas se fizeram, nos lugares mais baixos, pequenas trincheiras e baluartes, como foi o das Laginhas. Modificaram-se também, o forte de Santo António no Porto Judeu, e fez-se um outro baluarte na Ponta dos Coelhos. Concluíram-se: a fortaleza da Salga e o reduto que lhe ficava fronteiro; mais adiante, o forte das Cavalas, e a seguir o das Caninas. Dentro da baía ou casa das Mós, e onde estão os ilhéus da Mina, fizeram-se também os fortes, da Greta e o de Santa Catarina, e entre aqueles ilhéus fez-se um baluarte, onde mais tarde se construiu a fortaleza do Bom Jesus. Na baía do Porto Novo, em São Sebastião, fez-se o forte do Pesqueiro dos Meninos, e dentro da enseada concluiu-se um pequeno castelo de São Sebastião. A seguir, fizeram-se depois os fortes, de São Francisco e de São Fernando, ambos no limite da capitania da Praia. Na Ponta Negra fez-se o forte de Nazaré, e logo adiante o de Santiago, que cruzava o seu fogo com o forte de São Bento, na enseada do Porto Martins. Finalmente, dentro da baía da Praia, construiram-se também doze fortes e baluartes, e dali até aos Biscoitos fizeram-se alguns reparos, por ser a costa muito alta; e só neste último lugar é que se construiu um pequeno forte, no lugar do varadouro dos barcos. Com esta defesa podia a ilha Terceira resistir facilmente ao inimigo, se tivesse sempre à sua frente Ciprião de Figueiredo, homem ativo e inteligente, conhecido no estrangeiro, onde soube depois captar a estima de Henrique IV, o Grande, de Maria de Medicis e do Grão Duque da Toscana.


0468

Feita a fortificação, tratou o valente corregedor da reorganização da tropa, formando mais companhias de milícias, para as distribuir regularmente pelos pontos principais da ilha. Em Angra, nomeou capitães: Brás Nogueira, Heitor Rodrigues, Diogo de Lemos, Aires de Porraz, Álvaro Pires Ramires, Miguel da Cunha, Martim Simão de Faria, António Rodrigues, André Fernandes Madruga e Fernão Feio Pita, que, juntos aos cinco que já existiam, formavam ao todo quinze companhias. Na Vila da Praia, nomeou Pedro Álvares, o Frade, Alexandre Gonçalves Pinheiro e Miguel do Canto Vieira, ficando aquela povoação com cinco companhias; e, finalmente, na Vila de São Sebastião, elevou a três as companhias, ficando sargento-mor Baltazar Afonso Leonardes. Valdez, o vencido da Salga, tendo-se afastado um pouco da costa da ilha, continuou bloqueando-a para evitar alguns socorros, e ao mesmo tempo esperar o auxílio prometido por Filipe II. Apesar da sua vigilância, conseguiu aportar a Angra um pequeno navio com notícias de D. António, que estava em França e participando que, em breve, partiria com grandes forças para derrotar o usurpador. O entusiasmo do povo terceirense redobrou com tais novas, e, levados pelo fanatismo ou porque realmente conhecessem como instigadores da populaça os padres jesuítas, requereram verbalmente ao senado angrense e governador geral, que se lhes fosse aplicada a confiscação das suas rendas até à vinda de D. António, o qual faria a justiça devida, considerando-os como traidores. Não lhes valeu os meios persuasivos, empregados pelo corregedor e senado; e o próprio povo, em julho de 1581, conseguiu tapar, a pedra e cal, todas as janelas e portas do colégio dos jesuítas e da sua igreja, sendo-lhes dados os géneros alimentícios por uma pequena janela, que se fechava por fora, com grades de ferro e valentes cadeados. Ali estiveram enclausurados os padres da companhia de Jesus, desde julho de 1581 até igual mês do ano seguinte, em que D. António os mandou para Inglaterra, substituindo-os por outros que trouxera na sua companhia. Continuava o bloqueio em fins de agosto de 1581, quando, de repente, apareceu em Angra uma caravela vinda de Lisboa, com destino a São Miguel, mas que, por ignorância do seu capitão, chegara a esta ilha, perguntando para terra se era este o porto de Ponta Delgada. Sendo-lhe respondido que sim, entregou o capitão as malas do correio que trazia, sendo imediatamente preso com o resto da tripulação. Foi na Câmara que se procedeu à leitura das cartas, e por elas se soube que Filipe II mandava a D. Pedro de Valdez, como reforço, uma grande esquadra, comandada por D. Lopo de Figueiroa, para obrigar a ilha Terceira a render-se à sua obediência. Ciprião de Figueiredo, e em geral o povo terceirense, pouco ou nada


0469

se importaram com tais notícias; e, cônscios da boa defesa em que estava a ilha e do valor das tropas, de que pouco tempo antes tinham dado evidentes provas, viram com certa indiferença a aproximação das duas esquadras, que no fim de três dias, começaram o tiroteio em frente à baía. Compunha-se a armada de cinquenta navios, pouco mais ou menos, ocupando uma grande extensão da costa, de onde lhe foi correspondido o fogo, desde a Praia até à Serreta; e com tal energia foi feito, que Lopo de Figueiroa, vendo a altitude e a boa defesa da ilha, resolveu voltar para Lisboa, ficando assim frustrada a segunda tentativa de D. Filipe. Depois da chegada da esquadra a Lisboa, foi D. Lopo de Figueiroa elogiado por El-Rei, em não ter arriscado a sua gente, enquanto que D. Pedro de Valdez foi sentenciado à morte, conseguindo, com muito custo, o seu indulto. Esta segunda vitória, alcançada pelo intrépido corregedor e general Ciprião de Figueiredo, excitou a inveja e o ódio de Ambrósio de Aguiar Coutinho, seu colega na ilha de São Miguel, a ponto de enviar para Angra um seu adepto, Fernão de Macedo, com o fim de assassinar aquele intrépido governador e sincero adepto de D. António. Chegado à ilha Terceira, e fingindo-se adversário de D. Filipe, como de facto tinha sido, soube captar a confiança de Ciprião E Figueiredo, que o recebeu em sua própria casa, fazendo-se seu íntimo. Poucos dias depois, ou porque os remorsos de uma tão vil ação assaltassem o ânimo de Fernão de Macedo, ou porque o seu modo de proceder e falar revelasse a sua má intenção, começou Ciprião de Figueiredo a tê-lo como suspeito, e com falsos pretextos obrigou-o a embarcar para São Miguel, a bordo duma nau francesa, comandada por Clenis, e que estava ancorada na baía de Angra. Estas suspeitas foram comprovadas no fim de três dias, ao saber-se, por via de França, que Ambrósio Coutinho mandara o dito Macedo a Angra para assassinar Ciprião de Figueiredo. Por esta ocasião chegavam alguns reforços de França, cerca de oitocentos homens, sob o comando dos mestres de campo M.M. Charles e Baptistin, alojando-se nas casas da praça e imediações, enquanto que a tropa portuguesa fazia o seu quartel no adro da Sé. Passados alguns meses depois da batalha da Salga, e já apaziguados os ânimos dos habitantes de Angra, tratou Ciprião de Figueiredo da administração interna, procurando sempre proceder segundo a justiça e a retidão que o caracterizavam: e foi então que a aureola de glória, que o rodeava, começou a ofuscar-se-lhe, e a ter como recompensa de tantos e tão assinalados serviços, a ingratidão de um povo que ele sempre estimou e levou à glória! Procurando libertar os padres jesuítas, do jugo em que estavam; e querendo


0470

evitar a pena de morte que tinha sido dada a João de Bettencourt, fez despertar desconfianças naqueles que lhe tinham inveja, os quais aproveitando-se deste seu proceder, o apontaram como traidor, denunciando-o a D. António, como um vendido a D. Filipe. Tal afronta e tão grande calúnia, não podiam deixar de causar um profundo abalo em Ciprião de Figueiredo, que, durante o seu governo, só viu a prosperidade da ilha Terceira, pela qual estava pronto a dar o seu sangue. E indignado com tão vil procedimento, escreveu imediatamente a D. António que abreviasse a sua vinda à ilha Terceira e mandasse, quanto antes, pessoa que o substituísse. Não se fez esperar muito a resposta, porque D. António já tinha recebido as queixas contra tão honrado governado, e, em fevereiro de 1582, chegava à cidade de Angra o Conde de Torres Vedras, Manuel da Silva, na qualidade de lugar-tenente de D. António, sendo recebido como pessoa real. Recolheu-se ao convento de São Francisco, onde esteve alguns dias, até que se preparassem os seus aposentos, recebendo os comprimentos de todas as autoridades, inclusivamente de Ciprião de Figueiredo, bem como das diversas corporações religiosas, com exceção dos jesuítas que continuavam no seu cárcere. Concluídas as obras na residência nova do Conde, passou este personagem a ocupar o seu palácio na Rua do Marquês, que hoje pertence ao cidadão João Machado Gomes. Um dos primeiros atos de Manuel da Silva foi a criação duma casa da suplicação do cível e crime, mesa do desembargo do paço, mesa da consciência, chancelaria-mor, escrivães e meirinhos da corte, como se estivesse em plena Lisboa. Assim montado este aparato judicial, iniciou, o novo governador general, o seu governo, com a sentença de vários presos, e de entre eles o infeliz João de Bettencourt. Chamando a si o processo, e indiferente às súplicas de D. Maria do Carmo, esposa do desditoso réu, ordenou que fosse decapitado quanto antes; e em princípios de março de 1582, na Praça Velha, e por entre as alas formadas pelas ordens religiosas e irmãos da Misericórdia, foi conduzido ao patíbulo o infeliz João de Bettencourt, que, resignado, pôde dizer ao público: «Ah! cidadãos de Angra e moradores dela, Deus se lembre de nós!»; e não consentindo que lhe amarrasse os pulsos e pernas, entregou livremente a cabeça ao algoz, que, com dois golpes de machado, lhe decepou a cabeça. Estava dado o primeiro passo na senda do crime. E antes que o povo meditasse na iníqua sentença de João de Bettencourt, Manuel da Silva, o tirano (que outro nome não pode ter na história) continuou sentenciando todos os presos por opiniões políticas, não à pena última, mas em perdas de propriedade e dinheiro. Não faltaram as perseguições e vexames para os habitantes de Angra,


0471

conseguindo deste modo o novo governador que alguns indiferentes, e muitos do partido de D. António, se transformassem em acérrimos defensores de D. Filipe. Entre as ordens religiosas que ao principio defenderam a causa de D. António, houve do mesmo modo separação de partidos, lançando mão do púlpito para melhor advogarem a sua causa. Tornaram-se salientes no partido de D. António os seguintes religiosos: Dr. Agostinho, Frei Melchior, Frei Manuel Marques, Frei Simão, Amaro Lopes da Costa e Frei Pedro da Madre de Deus; no partido de Filipe II, Frei António Varejão, o licenciado João Luís Homem e outros. O descontentamento tornava-se cada vez mais geral, com o governo despótico de Manuel da Silva, que mais tratava de perseguir os terceirenses com o suplício e a morte, do que mantê-los em ordem, incutindo-lhes o amor por D. António, e levá-lo à vitória, como fizera o seu antecessor Ciprião de Figueiredo. Separados de Portugal, e sem recursos com que sustentar a tropa estrangeira que estacionava na ilha Terceira e em todas as outras ilhas que se conservavam ainda adeptas a D. António, viu-se obrigado o Conde Manuel da Silva a estabelecer uma casa da moeda nesta cidade, com que pudesse satisfazer ao pagamento dos oficiais e soldados. Foi escolhido o pátio do hospital para a dita casa da moeda, sob as ordens de Gaspar Ribeiro, ourives, tendo vários oficiais escolhidos entre os melhores serralheiros e ferreiros der cidade. Fez-se moeda de prata, ouro e cobre, cujo valor duplicou no fim de pouco tempo. A seguinte carta passada por Manuel der Silva, em nome de D. António, prova os grandes poderes com que veio para a ilha Terceira aquele personagem: «D. António por graça de Deus Rei de Portugal e dos Algarves, etc.: Faço saber aos que esta minha carta for apresentada, que desejando eu não vexar os meus povos e vassalos: e buscando alguns modos e meios com que os moradores da minha muito nobre e sempre leal cidade d'Angra, e os das mais ilhas dos Açores se valessem em sua presente necessidade, e bem pudessem acudir às da guerra sem vexação sua, me pareceu que devia mandar receber toda a moeda de cobre que nas ditas ilhas corresse e mandá-la cunhar com um cunho, e divisa do Regente, e reduzi-la ao preço antigo. Pelo que mando aos moradores destas ilhas que da publicação desta a oito dias seguintes não usem mais da dita moeda sem ser cunhada com uma cruz que são as armas da dita cidade, a qual levarão à casa der dita moeda, a oficiais que para isso mandarei deputar, onde lhes será paga no preço que corre; e depois de cunhada pela maneira sobre dita os patacões valerão 10 réis e as moedas de real e meio a 5 rés, e as de real a 3 réis, e as de meios reais a real, que é o preço porque corriam antigamente, sob pena de que não o fazendo, toda a pessoa em cujo poder ou casa se achar a tal moeda sem ser cunhada, pela maneira acima declarada, incorrera na pena em que as pessoas que fazem, ou tratam com moeda falsa incorrem; e como taes mando a todas as justiças de meus reinos e senhorios procedam contra eles: e porque tudo seja ao tempo executado mando aos juízes, e vereadores e oficiais da Câmara da Vila da Praia façam publicar esta minha carta, e tresladá-la nos livros da Câmara: e depois de feito fixá-la nas portas dela, onde estará todos os oito dias: e depois de tudo se fará auto assignado como é costume. E esta valerá posto que nom passe pela chancelaria, sem embargo da Ord. t..° 2.° § 2.° que o contrário dispõe e esta vae selada com o sello de minhas armas. El-Rei Nosso Senhor o mandou por Manuel da Silva, Conde de Torres Vedras do seu conselho d’Estado, e seu lugar tenente-general em todos os seus Estados. Dada em Angra ao 1.° de abril eu João Álvares a fiz anno de 1582 anos. = O Conde Manuel da Silva.»


0472

Em junho de 1582 chegavam três naus francesas ao porto de Angra com a notícia de que D. António estava a chegar com uma grande esquadra, e que atrás vinha uma outra inglesa, por sua conta. Este notícia alvoroçou uma grande parte da ilha, que se conservara adepta ao desditoso monarca, e logo cuidaram do modo como deviam receber tão importante personagem. Informado D. Filipe de que D. António conseguira obter uma armada de setenta navios, guarnecida por sete mil homens, sob o comando do general condestável, o Conde de Vimioso,10 e, como seu imediato, o marechal Filippe Strozzi,11 general de campo do Rei de França, ordenou ao Marquês de Santa Cruz que armasse quantas embarcações pudesse, pare se opor à grande armada de D. António, e partisse quanto antes pare os Açores, onde supunha estar já o inimigo. No dia 14 de junho do mesmo ano, chegava a ilha de São Miguel a esquadra de D. António, sem ter encontrado obstáculo algum na sua viagem. Intimando a ilha a render-se, responderam os seus habitantes que já tinham reconhecido D. Filipe como Rei de Portugal, e que só a ele obedeciam, pelo que nos dias 15, 16 e 17, depois de renhido fogo, conseguiu D. António desembarcar três mil homens, entre a Alagoa e Rosto de Cão, com os quais saqueou algumas vilas, marchando depois para a cidade. Ao chegar a Vila Franca, soube que no dia 21 aparecera a esquadra do Marquês de Santa Cruz, e antes que viesse a da Andaluzia, embarcou D. António com a sua tropa, para derrotar o inimigo. Triste ilusão era a de D. António. Havendo calmaria, impedindo as evoluções das esquadras, só no dia 23 é que conseguiram chegar à linha de combate. Conquanto o número de embarcações de D. António fosse superior ao de D. Álvaro de Bazán, tornava-se inferior na qualidade, tornando-se inevitável a sua derrota. O cheque foi terrível e medonho, tendo sido afundados alguns navios


0473

franceses e mortos o Conde de Vimioso, o general Strozzi e mil e duzentos homens dos diferences navios de guerra. A vitória, que ao princípio parecia sorrir a D. António, voltou-se em poucas horas para o Marquês de Santa Cruz, após a fuga traiçoeira de algumas naus francesas e a morte de muitos outros oficiais importantes, lançando o desânimo em toda a tropa. Reunido o conselho de guerra a bordo da nau almirante de D. António, foi resolvido que este infeliz monarca se retirasse para a ilha Terceira, com três navios, antes que terminasse o combate ou fosse feito prisioneiro. Embarcando D. António em um pequeno navio bom veleiro e bem provido, aproou à ilha Terceira, acompanhado de mais duas embarcações conduzindo mil homens de pé e de cavalo, chegando no dia 26 de julho de 1582 ao lugar de São Sebastião, onde desembarcou para não receber a estrondosa manifestação que lhe estava preparada em Angra.


0474