Mentiras (Florbela Espanca)

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O Livro D'Ele por Florbela Espanca
Mentiras


"Ai quem me dera uma feliz mentira,
Que fosse uma verdade para mim!"
J.Dantas


Tu julgas que eu não sei que tu me mentes
Quando o teu doce olhar poisa no meu?
Pois julgas que eu não sei o que tu sentes?
Qual a imagem que alberga o peito teu?

Ai, se o sei, meu amor! Eu bem distingo
O bom sonho da feroz realidade...
Não palpita d'amor, um coração
Que anda vogando em ondas de saudade!

Embora mintas bem, não te acredito;
Perpassa nos teus olhos desleais,
O gelo do teu peito de granito...

Mas finjo-me enganada, meu encanto,
Que um engano feliz vale bem mais
Que um desengano que nos custa tanto!