Meu amor, tanto vos amo,

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Meu amor, tanto vos amo,
por Conde de Vymioso


    Meu amor, tanto vos amo,
que meu desejo não ousa
desejar nenhuma cousa.
 
    Porque, se a desejasse,
logo a esperaria;
e, se eu a esperasse,
sei que vos anojaria.
Mil vezes a morte chamo,
e meu desejo não ousa
desejar-me outra cousa.