Modéstia (Humberto de Campos)

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Modéstia
por Humberto de Campos
Conto publicado em Grãos de Mostarda


Não obstante a sua origem, e os seus meios de fortuna, o Rafael Benevides era, positivamente, um rapaz que não levava muito alto as suas ambições. A mãe, a aristocrática Dona Tereza Benevides, censurou-o, por mais de uma vez:

— És um toleirão! Então um rapaz como tu, bonito, rico, educado, vai olhar para uma burguesa como a Lili Monteiro, quando tens no alcance da tua mão criaturas como a Edith Soutello, como a Iaiá Thompson, e outras meninas de educação e de fortuna?

Essa observação materna acordou no Rafael o desejo de fazer um casamento vantajoso. E, como, dos melhores, preferia o melhor, moveu os olhos, logo, para a Julieta Faria gama, orgulhosíssima filha do visconde de Faria Gama, que era, além de uma das maiores herdeiras do Rio, uma das mais formosas criaturas da cidade.

Resolvido a possuir aquele magnífico pedaço de mulher, Rafael aproveitou uma ocasião em que a moça se encontrava só, na sala de música dos Moura Baima, e caiu-lhe aos pés, ajoelhado no tapete:

— Julieta, amo-te!

A essas palavras, que eram mais um grito, a moça ergueu a cabeça, soberba:

— Que faz o senhor para chegar ao meu coração?

Ante essa resposta, que era um insulto, Rafael sentiu a necessidade da vindita.

— Eu não quero chegar ao teu coração, Julieta! — gemeu.

E, de joelhos, com os olhos no tornozelo da moça:

— Eu não quero chegar tão alto...