Muito quero àquelle minino

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Muito quero àquelle minino
Vilancete publicado em Villancicos que se cantarão na Real Capela do muito alto, & muito poderoso Rei D. João o IV. Nosso Senhor. nas matinas da Noite do Natal da era de 1641 (como Villancico V) e Villancicos que se cantarão na Capella do muito alto, & muito poderoso Rey D. Affonso VI. Nosso Senhor. Nas Matinas dos Reys, em 1665 (como Villancico II).


Muito quero àquelle minino,
Que dizem que val por tres,
Pois o vejo tão bonitinho,
& tão garridinho,
& tão tenroſinho,
& tão airoſinho;

Ay Amor em que te pez,
Em que te pez.

Inda q̇ elle vẽ tã pobreſinho
Aly meſmo donde o vez
Bem ſe vé
Que he muy ricoſinho,
& muy doceſinho,
& muy fidalginho,
& muy mimoſinho;

Ay Amor em que te pez,
Em que te pez.

Bẽ ſe vé, q̇ tẽ braço divino
Com q̇ os ceos, & a terra fez
Bem ſe vé.
Que hè tão perfeitinho,
& tão graveſinho,
& tão polidinho,
& tão brioſinho;

Ay Amor em que te pez,
Em que te pez.

Eſtribillo.

Aquelle minino
Que nace em Belem,
Ay ay minha may ay ay
Se terei ventura
Que me queira bem?

Copla primeira.

Tem olhar fermoſo
A fala gracioſa
A boca de roſa
O andar ayroſo,
Se quer ſer meu eſpoſo
Segura me tem.

Ay ay minha may ay ay
Se terei ventura
Que me queira bem?

Copla. 2.

Fui com eſte intento
À Virgem da Pena,
Para ver ſe ordena
Eſte caſamento;
Tal contentamento
Não o tem ninguem.

Ay ay minha may ay ay
Se terei ventura
Que me queira bem?