Mundo inaccessível

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mundo inaccessível
por Cruz e Sousa
Poema agrupado posteriormente e publicado em Últimos Sonetos


Tu'alma lembra um mundo inaccessível
Onde só astros e águias vão pairando,
Onde só se escuta, trágica, cantando,
A sinfonia da Amplidão terrível!

Alma nenhuma, que não for sensível,
Que asas não tenha para as ir vibrando,
Essa região secreta desvendando,
Falece, morre, num pavor incrível!

É preciso ter asas e ter garras
Para atingir aos ruídos de fanfarras
Do mundo da tu'alma augusta e forte.

É preciso subir ígneas montanhas
E emudecer, entre visões estranhas,
Num sentimento mais sutil que a Morte!