Nas agoas profundas do pélago immenso

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
(Nas agoas profundas do pélago immenso)
por José da Silva Maia Ferreira
Poema publicado em Espontaneidades da minha alma.


Ao meu Irmão e Amigo


LUIZ DE QUEIROZ MATTOSO MAIA.


Nas agoas profundas do pélago immenso
Na pôpa de um barco que os mares varria,
Attento eu mirava nos céos esmaltada
Estrella brilhante que ao longe fulgia.

E era tão bella, tão nivea e mimosa,
No seu esplendor, e na sua magia,
Que longe do mundo, não sei porque sorte
A Estrella brilhando o meu fado dizia:

«Ó Bardo, que máguas no peito alagando
«Teus prantos desatas em trovas sentidas:
«Não és só no mundo, mistura co’as minhas
«Tuas dôres e máguas p’la sorte movidas.»

«Concentra em teu peito, não vibres na lyra
«Os carmes pungidos da vida passada;
«Não sejas escravo da terra, do mundo,
«Procura na patria a vida prismada.»

«Mui longe dos gesto tyrannos, fingidos,
«Que o oiro acalentam, — qual maga virtude;
«Esquece, despresa, não sintas no peito
«Effluvios de um nome tão féro e tão rude.»

«Tu és inda joven, e pódes na terra
«O prisma da vida, na vida sorver;
«Não sejas descrido, não queiras de rôjo
«Na terra lançar o que has de obter.»

«Se já fatigado na lide affanosa
«De tanto soffrer, e de tanto carpir;
«Revive no mundo, temendo e fugindo
«Dos rostos fingidos de falso sorrir.»

«Se o embate dos homens de peitos falsarios
«Na terra te causa tristeza e terror,
«Procura e abraça tua Mãi, Deus e Patria,
«Da vida e do mundo o só norte d’amor»

Não sei se era um anjo, se sôpro divino
Quem d’alma estas fallas me vinha infiltrar,
Não sei que condão, e que forte magia
Prendiam meus olhos á strella a brilhar.

E a estrella fallou-me — e eu só entendi
Em maga harmonia — o seu doce fallar —
Contou-me inda mais, — mas eu callo no peito
As cousas que á terra não devo contar.