Ninfas gentis, eu sou, o que abrasado

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ninfas gentis, eu sou, o que abrasado
por Cláudio Manuel da Costa


Ninfas gentis, eu sou, o que abrasado
Nos incêndios de Amor, pude alguma hora,
Ao som da minha cítara sonora,
Deixar o vosso império acreditado.

Se vós, glórias de amor, de amor cuidado,
Ninfas gentis, a quem o mundo adora,
Não ouvis os suspiros, de quem chora,
Ficai-vos; eu me vou; sigo o meu fado.

Ficai-vos; e sabei, que o pensamento
Vai tão livre de vós, que da saudade
Não receia abrasar-se no tormento.

Sim; que solta dos laços a vontade,
Pelo rio hei de ter do esquecimento este,
aonde jamais achei piedade.