Noturno (Augusto dos Anjos)

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Noturno
por Augusto dos Anjos


Chove. Lá fora os lampiões escuros

Semelham monjas a morrer... Os ventos,

Desencadeados, vão bater, violentos,

De encontro ás torres e de encontro aos muros.

Saio de casa. Os passos mal seguros

Trêmulo movo, mas meus movimentos

Susto, diante do vulto dos conventos,

Negro, ameaçando os séculos futuros!

De São Francisco no plangente bronze

Em badaladas compassadas onze

Horas soaram... Surge agora a Lua.

E eu sonho erguer-me aos páramos etéreos

Enquanto a chuva cai nos cemitérios

E o vento apaga os lampiões da rua!