Noutro dia, quando m'eu espedi

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Noutro dia, quando m'eu espedi
por Joán Soares Coelho


Noutro dia, quando m'eu espedi
de mia senhor, e quando mi houv'a ir,
e me nom falou, nem me quis oir,
tam sem ventura foi que nom morri!
       Que, se mil vezes podesse morrer,
       mẽor coita me fora de sofrer!
  
U lh'eu dixi: "Com graça, mia senhor!"
catou-me um pouc'e teve-mi em desdém;
e porque me nom disse mal nem bem,
fiquei coitad'e com tam gram pavor,
       que, se mil vezes podesse morrer,
       mẽor coita me fora de sofrer!
  
E sei mui bem, u me dela quitei
e m'end'eu fui e nom me quis falar,
ca, pois ali nom morri com pesar,
nunca jamais com pesar morrerei.
       Que, se mil vezes podesse morrer,
       mẽor coita me fora de sofrer!