O Azar

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O Azar
por Charles Baudelaire, traduzido por Delfim Guimarães
Poema publicado em As Flores do Mal


Com peso tal, não me ajeito;
Dá-me, Sísifo, vigor!
Embora eu tenha valor,
A Arte é larga e o Tempo Estreito.

Longe dos mortos lembrados,
A um obscuro cemitério,
Minh'alma , tambor funereo,
Vai rufar trechos magoados.

— Há muitas jóias ocultas
Na terra fria, sepulturas
Onde não chega o alvião;

Muita flor exala a medo
Seus perfumes no degredo
Da profunda solidão