O Calango

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O Calango
coletado por Sílvio Romero
Publicado em Cantos populares do Brasil. (Sergipe)

Calango fez um sobrado
De vinte e cinco janelas
Para botar moças brancas,
Mulatas cor de canela.

Calango matou um boi,
Dele não deu a ninguém;
Lagartixa respondeu:
— Calango fez muito bem.

O Calango foi à feira
Em traje de gente rica;
Lagartixa respondeu:
— Calango, você lá fica.

O Calango foi à festa
Montado numa leitoa;
Lagartixa respondeu:
— Calango não é pessoa.

Calango estava deitado
Na proa do seu navio;

Lagartixa respondeu:
— Calango, tu és vadio.

Calango saiu à rua,
Montado numa perua;
Lagartixa respondeu:,
— Vejo que a tola está nua.

Calango foi convidado
Para ser juiz de paz;
Lagartixa respondeu:
— Calango veja o que faz.

Calango foi à Bahia
Com seu barco de feijão;
Lagartixa respondeu:
— Cada bage é um tostão.

O Calango é bicho porco,
Num folguedo quis entrar;
Lagartixa respondeu:
— Calango, vai-te lavar.

Calango foi convidado
Para ser um presidente;
Lagartixa respondeu:
— Calango, me traz um pente

Minha gente, venha ver
Cousa de fazer horror:
Lagartixa de chinelas,
Calango de paletô.