O Coração (Castro Alves)

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O Coração
por Castro Alves
Poema publicado em Espumas Flutuantes

O Coração é o colibri dourado
Das veigas puras do jardim do céu.
Um-tem o mel da granadilha agreste,
Bebe os perfumes, que a bonina deu.

O outro-voa em mais virentes balças,
Pousa de um riso na rubente flor.
Vive do mel — a que se chama — crenças,
Vive do aroma-que se diz-amor.