O Ladrão Arrependido

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O Ladrão Arrependido
por Humberto de Campos
Conto publicado em Grãos de Mostarda


O delegado acabava de entrar, pendurando a bengala, o chapéu e o "cache-nez", no cabide da repartição, quando o "prontidão" avisou estar no xadrez, à espera de interrogatório, um indivíduo preso na praça Tiradentes duas horas após o furto de um relógio.

— Manda-o subir... — ordenou a autoridade.

Ao fim de dois minutos, entrou na sala, custodiado por dois policiais, o autor do furto. Era um rapaz claro, de cabelo de fogo, rosto semeado de sardas, vestindo calça de casimira preta, paletó escuro, camisa sem gravata. A autoridade fechou a cara, improvisando uma fisionomia severa, e inquiriu:

— Foi o senhor que furtou este relógio?

— Foi, sim, senhor, — continuou, calmo, o rapaz.

— Sabe quem é o dono?

— Certo, certo, não sei, não, senhor. Só me lembro que era um sujeito de preto, que ia com uns embrulhos na mão.

— E ele não deu por falta do objeto?

— Parece que não. Quando o guarda me prendeu, eu estava junto do lampião, dando corda.

O delegado deixou passar um instante, e tornou:

— E o senhor não está arrependido de ter furtado esse relógio?

— Eu? Arrependidíssimo! — confirmou, com força, o ladrão.

E com ar de desprezo, o beiço torcido:

— Isso lá é relógio, "seu" doutor?! Em duas horas tive de dar corda nele três vezes!... Se o senhor ficar com ele vai se arrepender!

E encostou-se à parede, familiar.