O Pólo

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O Pólo
por Olavo Bilac


"Pára, conquistador intimorato e forte!

Pára! que buscas mais que te enobreça e eleve?

E tão alegre o sol! a existência é tão breve!

E é tão fria essa tumba entre os gelos do norte!

Dorme o céu. Numa ronda esquálida, de leve,

Erram fantasmas. Reina um silêncio de morte.

Focas de vulto informe, ursos de estranho porte

Morosamente vão de rastros sobre a neve..."

Em vão!... E o gelo cresce, e espedaça o navio.

E ele, subjugador do perigo e do medo,

Sem um gemido cai, morto de fome e frio.

E o Mistério se fecha aos seus olhos serenos...

Que importa? Outros virão devassar-lhe o segredo!

Um cadáver de mais... um sonhador de menos...

(As Viagens, XI)