O Soneto (Cruz e Sousa)

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O Soneto
por Cruz e Sousa
Poema agrupado posteriormente e publicado em Últimos Sonetos


Nas formas voluptuosas o Soneto
Tem fascinante, cálida fragrância
E as leves, langues curvas de elegância
De extravagante e mórbido esqueleto.

A graça nobre e grave do quarteto
Recebe a original intolerância,
Toda a sutil, secreta extravagância
Que transborda terceto por terceto.

E como um singular polichinelo
Ondula, ondeia, curioso e belo,
O Soneto, nas formas caprichosas.

As rimas dão-lhe a púrpura vetusta
E na mais rara procissão augusta
Surge o Sonho das almas dolorosas...