O Tonel das Dânaides

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O Tonel das Dânaides
por Castro Alves
Poema publicado em Espumas Flutuantes
Diálogo

 
Na torrente caudal de seus cabelos negros
Alegre eu embarquei da vida a rubra flor.
— Poeta! Eras o Doge o anel lançando às ondas...

Ao fundo de um abismo... arremessaste c amor.

Depois minh'alma ao som da Lira de cem vozes
Sublimes fantasias em notas desfolhou.
 
— Cleópatra também p'ra erguer no Tibre a espuma
As pér'las do colar nas vagas desfiou!
Depois fiz de meu verso a púrpura escarlate

Por onde ela pisasse em marcha triunfal!
— Como Hércules, volveste aos pos da insana Onfália

O fuso feminil de uma paixão fatal.
Um dia ela me disse: "Eu sou uma exilada!"

Ergui-me... e abandonei meu lar e meu país...
— Assim o filho pródigo atira as vestes quentes

E treme no caminho aos pés da meretriz.
E quando debrucei-me à beira daquela alma
P'ra ver toda riqueza e afetos que lhe dei!...
— Ai! nada mais achaste! o abismo 05 devorara...
O pego se esqueceu da dádiva do Rei!
Na gruta do chacal ao menos restam ossos...

Mas tudo sepultou-me aquele amor cruel!
— Poeta! O coração da fria Messalina
É das fatais Danaides o pérfido Tonel!